segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Assim eu juro...

Se tenho que ser pra cima 
quando inexiste alegria 
finjo então que não sou triste 
e divago na poesia... 

Assim eu juro... 

 Juro que sou completa 
da vida  nada me falta 
das rosas trago o perfume 
das borboletas a calma... 

 Não me queixo, tudo aceito 
desconheço qualquer dor, 
o meu semblante é sorriso 
o mundo é de puro amor... 

 Não tenho medo de nada 
porque nada não existe 
meu nome é felicidade 
 sem frescura e melindres... 

 Eu Juro que tudo posso, 
da grandeza, a perfeição 
e não me esquento por nada 
tenho tudo em minhas mãos... 

 Não levo tempo a chorar 
minha vida é boêmia 
trabalhando o meu pensar 
não desperdiço energia... 

levo um jeito descolada 
não sei o que é depressão 
de tudo faço piada 
o meu inverno é verão... 

Juro não saber da saudade 
pois do ontem, esquecida 
meu coração não esmorece 
nem se molesta em feridas... 

 E agora, o que acontece 
quando em dia arrefecida? 
aos anjos eu peço em prece 
cuidem de mim pela vida...


Quem dera eu fosse assim, 
lamento mas eu não sou, 
das rosas, alguns espinhos 
somente uma pétala da flor

Lí@petitto