domingo, 6 de maio de 2012

Mãe...

A todas as mães, os meus parabéns com eterno carinho
e afago em suas almas...
Mãe,
Não me atenda correndo
quando do primeiro tombo,
me ensina a levantar sozinho
para que eu não me vença
pelos solavancos...
Também não se apiede de mim,
a me sentir um coitado,
sem forças para reagir...
Deixa que eu chore,
as lágrimas reidratam os meus sentidos
a não me tornar endurecido
inibindo as emoções...
Não me aconselhe a desistir
perante as frustrações e
jamais creia-me um perdedor,
como também não me julgues
sem nada saber das minhas limitações...
Converse mais comigo mãe,
busque saber mais do meu íntimo,
observe os meus instintos
para que eu seja grande como você,
sei que não sabes de tudo,
mas se me ouvires, eu te escuto...
Quando me veres triste, pensativo,
pergunte-me, mas sem insistência
se eu quero conversar,
e te faças pronta para me ouvir,
logo que encorajado eu me sentir...
Não diga que não tem tempo para mim,
há coisas que podem esperar
e coisa eu não sou mãe,
terei urgência de lhe falar...
Fique atenta aos meus sinais
por instantes, triste e sozinho
meu coração a sentir frio
pelos beirais do caminho...

(Livinha)