quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A Pretérita menina...

Sou como uma estrela peregrina
pretérita menina, que não feneceu
como o sol na matutina, do Cristo
irmã e filha em Deus...

Hoje é meu aniversário, ouço
sons dum campanário das glórias
de minha lida, quão pétalas de
margaridas, maus que se vão
e bens que me ficam...

Múltiplos foram os meus ninhos,
mas nunca fui passarinho...
As penas, eram voos de lampejos
feitos de sonhos e desejos
nas pousadas dos caminhos...

Agora, minhas comportas se abrem,
dispertam emoções e me desnuda

anjos, em sobrevoos de passagem,
inspiram canções e lágrimas
me enxugam...

Sinto como a voltar no tempo,
esforços de um rebento ventre de
minha mãe, com suas dores uivantes,
sofrendo com alegria, a banhar-me
com o seu sangue...

Instante em que agora renasço,
a sentir o mesmo abraço, daquela
noite de um dia,
tu mãe a sorrir, enquanto eu a chorar
no teu seio de Maria...


Livinha

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Ei, criança!!

Ei, criança!
Me perdoa por eu não consegui,
quis te fazer uma canção de roda,
desatei a chorar e menos sorrir...

Onde estão os teus brinquedos,
procurei e nada vi,
somente tu, sobre botões de segredos,
numa escrivaninha, a dormir...

Todo tipo de eletrônico, no teu quarto,
a consumir, tua cama, um carrinho
e nenhum livro, entristeci...

Eu me lancei ao passado, pois que
também fui criança,
encontrei nos meus guardados,
pedaços de minha infância...

Ai quanta saudade, dum tempo
que fui feliz, reinventava brinquedos
das pedras, fazia giz...

Eu saltava amarelinhas, fingia que
ia ao céus, via bichinhos na nuvens,
fazia aviões de papel...

Ah, também fui moleca mas e daí, o que
é que tem? Fiz artes, subi nas árvores
e no pique esconde, contava até cem...

Ei criança me escuta, onde está a tua
bola, teu carrinho de rolimã, o amigo
lá de fora, tuas bochechas maçãs?

Anda criança, acorda! Te liberta e vai
brincar, libera tuas energias,
tens muito o que recriar,
teus pais são tua escola, peça a eles
pra ensinar, se és tu a esperança,
avante, segue a marchar...

Brinca criança, solta as virtudes febris
pois que nascestes para ser feliz...

Parabéns Criança que todos os dias
sejam teus sob bálsamos de esperança



Livinha




terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sinopse

Vai, passe na catraca e entregue o teu bilhete, mas antes me escutas, pode ser que te aflijas e manifestes perguntas e pela mesma razão, antecipo que o filme é o da tua vida...
Ah, também fica atento às confusões, há na cadeira uma cinta de segurança, sofrerás abalos em grande viagem, no reviver das emoções...
O filme não é de gênero específico, adianto que toda e qualquer reação, virá de tua sensação, serás responsável por isto... Toparás com situações espantosas, mas... não reclames e nem te atrevas a dizer ser injustiça, saberás que nada é ilusão, é a consciência que te martiriza...
Vai, já te dei a sinopse e não esqueça, não te julgues e por nada assim te culpes a se ver como vilão, pois que também se verás como mocinho, inexperiente, inocente, nas dobras dum pergaminho e os defeitos, são o que te restam para o acabamento, dadas nascentes em desalinhos... Lembra-te, tudo é apenas um rascunho, para que revejas teus rabiscos e se por ventura, te reconheceres como uma casa mal construída, não te perturbes, talvez fora abandono dos que te tinham... Renove-se, aceite a oportunidade de reforma a não se preocupar, com o da vizinha... Depois, tire a venda dos teus olhos, cuide da tua visão, teu destino é construção...
Por fim, tranquiliza-te e abandone os teus receios, terás momentos de passeios, meio a tantos dramas e ações... Dos tempos joviais, das horas inéditas, entre as estúpidas comédias e desilusões... Mas não te assustes, ainda que muito chores, haverás de sorrir também, pois que te sentirás importante, diante de tuas memórias, nos desígnios do teu ideal, porque sois o ator principal, junto aos teus coadjuvantes, o escritor de tua história...


Livinha