domingo, 20 de novembro de 2011

Pode ser, pode ser...

Pode ser que tudo seja desconexo
mas é verso, me atrevo a declamar...
São pedaços do universo, não difíceis
de juntar...
Partículas do tempo em pedaços,
jogadas pelo espaço, caídas em
cada lugar...
E quem haverá de entender, senão
pagar para vê, razões que não
se pode explicar.
Uma coisa, outra loisa, pode ser,
pode ser, já não há que contestar,
qualquer doido ou mesmo doida,
há de ter e se provar...
se a canção paira no ar, é chama
que faz a dança,
são dois p'ra lá e dois p'ra cá,
braços de rios, mar de esperanças...
E por que de duvidar se tudo
pode ser?
Sementes fecundam no ar,
é noite no amanhecer...