quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A Pretérita menina...

Sou como uma estrela peregrina
pretérita menina, que não feneceu
como o sol na matutina, do Cristo
irmã e filha em Deus...

Hoje é meu aniversário, ouço
sons dum campanário das glórias
de minha lida, quão pétalas de
margaridas, maus que se vão
e bens que me ficam...

Múltiplos foram os meus ninhos,
mas nunca fui passarinho...
As penas, eram voos de lampejos
feitos de sonhos e desejos
nas pousadas dos caminhos...

Agora, minhas comportas se abrem,
dispertam emoções e me desnuda

anjos, em sobrevoos de passagem,
inspiram canções e lágrimas
me enxugam...

Sinto como a voltar no tempo,
esforços de um rebento ventre de
minha mãe, com suas dores uivantes,
sofrendo com alegria, a banhar-me
com o seu sangue...

Instante em que agora renasço,
a sentir o mesmo abraço, daquela
noite de um dia,
tu mãe a sorrir, enquanto eu a chorar
no teu seio de Maria...


Livinha