quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Ei, criança!!

Ei, criança!
Me perdoa por eu não consegui,
quis te fazer uma canção de roda,
desatei a chorar e menos sorrir...

Onde estão os teus brinquedos,
procurei e nada vi,
somente tu, sobre botões de segredos,
numa escrivaninha, a dormir...

Todo tipo de eletrônico, no teu quarto,
a consumir, tua cama, um carrinho
e nenhum livro, entristeci...

Eu me lancei ao passado, pois que
também fui criança,
encontrei nos meus guardados,
pedaços de minha infância...

Ai quanta saudade, dum tempo
que fui feliz, reinventava brinquedos
das pedras, fazia giz...

Eu saltava amarelinhas, fingia que
ia ao céus, via bichinhos na nuvens,
fazia aviões de papel...

Ah, também fui moleca mas e daí, o que
é que tem? Fiz artes, subi nas árvores
e no pique esconde, contava até cem...

Ei criança me escuta, onde está a tua
bola, teu carrinho de rolimã, o amigo
lá de fora, tuas bochechas maçãs?

Anda criança, acorda! Te liberta e vai
brincar, libera tuas energias,
tens muito o que recriar,
teus pais são tua escola, peça a eles
pra ensinar, se és tu a esperança,
avante, segue a marchar...

Brinca criança, solta as virtudes febris
pois que nascestes para ser feliz...

Parabéns Criança que todos os dias
sejam teus sob bálsamos de esperança



Livinha