segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Um tal Cupido...

O amor chega bonito,
com feitiços faz encantos,
braços se abrem sorrindo
luzindo o primeiro encontro...
Olhar garrido e matreiro,
envolto de magnetismo
que almas afins dão em sismos
e os picos se põe acesos...
Amor esse equilibrista, faz de vidas
seus artistas a valsar em picadeiros
e por tal, embevecido, pois culpado
é um tal cupido, menino hábil ligeiro,
a mirar flechas em tiros nos
corações faz certeiro...
Nos repentes da paixão o amor
sôfrego faz doer, anseio a pulsar
no peito de alvoroçado querer...
Quão astuto e audacioso,
suas presas a envolver
lançando assim seus mistérios
fazendo corpos gemer...


Eu não creio haver no mundo
corações partidos ao meio
por ser o amor tão fecundo
de metades faz o inteiro...



Livinha