domingo, 24 de julho de 2011

Me aceite como sou...

Ei! Por favor, não precisa me entender,
apenas me aceite como sou,
mas se na ventura for assim tão difícil,
não me leve ao julgo de suas palavras,
elas me cortam como faca e eu sinto dor...
Olha pra você, és tão imperfeito quanto
sou... Portanto, unamos as nossas diferenças
afinal, o que de bom há em si, eu gostaria
porque tal não é meu, o que da mesma forma,
na troca te daria, o que de bom há em mim
para que seja também seu...
Louvemos o sacrifício na tentativa da igualdade,
haveremos de viver sob equilíbrio, pela força
da vida, do amor e da verdade...


Livinha