domingo, 5 de junho de 2011

Amiúde...

O que vai dentro não é loucura,
e ninguém pode entender,
são torturas dos instintos, o padecer...
Os instantes amiúde, acelerados
pelo tempo, quem haverá de saber,
quando a ânsia voluntária, faz as vezes
solitária, salmourando a efervecer...
O Sol caloroso aos dias
inspira nas noites frias
murmúrios a estremecer...
No tempo, um semblante silencia
a prostrar-se em  agonia,
corpo sôfrego a gemer...

Livinha