quarta-feira, 4 de maio de 2011

Tempo...

Os ponteiros ficam rodando e rondando
sem se dar ao descanso e ainda que seja
em sua postura de perneta, dá-se em avanço...
E repete, repete voltas inteiras, mas não se
desalinha, como o planeta...
Até que vem o homem e tenta agilizar seus
passos, o que não se atrapalham, seguem a lida,
até a próxima revirada...
Enquanto fico a andar de um, para o outro lado,
trocando letras e no chão a formar buracos...
Das vezes, pensamentos se perdem trôpegos,
por não saber me entender com os instantes...
O devoluto, que não acho...


Livinha