quarta-feira, 13 de abril de 2011

Sinais de angústia...

Sem perceber me vi dentro, no oco do silêncio
sem encontrar as palavras,
mas a sensação de barulho, alí estava,
um eco surdo, trepidando a escuridão, num
vazio das falas...
Eu até pude sentir o frio da expressão
desagasalhada, contrariada por um ar rarefeito
sem circulação, a entupir as saídas, sem entradas...
 Sinais de angústia, como a querer implodir os
tímpanos com chicoteios de amarguras...
Busquei janelas, fresta de luz, algo por segurar,
mas nada... Não havia onde tocar...
Somente a leve impressão de um choro mudo,
num espaço qualquer daquele escuro,
que não pude alcançar...
Como pude sentir conflitos borbulhantes, feridas
sussurrantes que n'algum tempo se perderam,
mas nada pude fazer, apenas orar...
Sim, eu pude sentir e ao tempo, venho pedindo
que me oferte um dia, a oportunidade
de poder cuidar...


Livinha