quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Contrariando...


Eu tento me entregar ao sono p'ra não
sofrer a tua falta,
mas ao mesmo tempo, me mantenho acordada
p'ra não me ver sonhando...
Eu sei que você existe, mas tento fingir que és
miragem, para que eu não fique me enganando...
Eu trago você junto a mim, nessa ânsia imaginária
e me faço alegria, embriagada, para não ficar
chorando...
Por vezes, saio pra's ruas pra fugir do teu pensar,
e sequer me dou conta, que te levo comigo,
ouvindo sussurros, me dizendo que virás...
E te invento em minhas fantasias, nesse corpo
que arrepia e a você me entregando...
e desperto delirando...
Por fim, contrario a tudo, te sentindo... num feito
matreiro, amando... esse coração que vibra por
você o tempo inteiro...


Livinha