terça-feira, 30 de março de 2010

Palavras soltas...


...e o sol que lá fora já desponta,
me grita tão ardente,
vamos menina, se levanta!
há na mesa um café quente...
Os pássaros me saúdam o amanhecer,
Espreguiço, estico-me,
faço o laço com a linha do
horizonte e me embrulho dentro
porque sinto que nada posso sem ele
e me entrego aos sentimentos...

Um brinde a vida!

Lívi@petitto

domingo, 28 de março de 2010

Botões


Que são os ditos botões
se não um pitoco
quadrado ou redondo,
um ponto, um fosco...

Que botão será esse
talvez um olho de peixe,
na fresta da fechadura,
um bico de peito...

Que botão serão esses
no escuro pelo tato,
qualquer coisa já no toque
um focinho de rato...

Que botão será esse
sombreado num vestido
meio raso, meio fundo
é vestígio d'um umbigo...

E aquele acolá
da cavidade um sinal,
é um buraco na árvore,
um feito de pica-pau...

E esse tal de controle,
de botões todos esses,
por um toque no retoque
dar um close na rede...

E esse botão com que falo
na intimidade do silêncio,
dos antigos, um velho ditado,
amigo de confinamento...

Que botões serão todos,
de tal modo assim enfático
são pontos de vidas tolos
aos dedos no modo prático...



Lívi@petitto

sábado, 27 de março de 2010

Eclípse...


De dia, ela se fingi adormecida
enquanto ele transparece
a noite, ela se deslumbra, se insinua,
ele admirado, se emudece...
e ela envolvente faz um eclípse,
lhe oculta, se desnuda e o embevece...






sexta-feira, 26 de março de 2010

Vitória...


Vitória, uma bola correndo,
uma torcida a vibrar
a saudade entrando em "Senna",
na velocidade de acenar...
Uma cadeira de roda,
e a vida continuar...
Uma pétala que desponta,
da roseira enfadonha,
a rosa desabrochar...
Um silêncio em terminal,
esperança, um sinal,
d'um coração saltitar...
Uma vida que renasce
olhos que choram, na face
o céu poder enxergar...
A solidariedade chegando,
pra fome poder matar,
um reencontro abençoado
filhos por pais renegado,
o ganho de um novo lar...
É um sim no altar,
É a conquista do perdão,
também o saber perdoar...
Um cativeiro se abrindo
a liberdade a voar
e um casulo no tempo,
a borboletar...
É a vida, é a vida,
por uma lágrima sorrindo,
a indiferença se indo
pra igualdade acordar
por uma Fé que se logra,
rompendo algemas das drogas...
Vitória é a Gloria,
irmã da Graça bendita,
é a Paz que sonoriza,
no coração desse mundo,
é o amor, fulgente e fecundo
na consciência ainda adormecida...


Lívi@petitto

quarta-feira, 24 de março de 2010

Medo...


Medo, quem sois assim tão
pequeno, mostrando-se grande,
como vítima de tuas próprias caretas?
mostras cenas arredias ante a morte,
obstáculos e perdas...
Quem te pode definir nessa forma
como vem,
sois mártir, transpiras nas fobias
que tens...
Libera de ti a coragem, paga pra ver
te portas como um covarde, em teu
proceder...
deixa a tua intrepidez sobressair
solte-a e lute sem temer
mostre as armas que está em teu
poder e deixa, deixa acontecer...
Se entrega, nada terás a perder,
sentirás que ao fim da fuga,
o suor de tua luta, só vai te fortalecer
A careta do horror, se fará em sorriso,
da sensação o alívio e da coragem,
o vencer...



Lívi@petitto

terça-feira, 23 de março de 2010

♫Uma Nota...♫


Trago-te apenas uma nota,
presta atenção, no que ela disser
de minha parte, eu te adianto
que não se trata de uma nota
qualquer...
Sempre cantará uma linda canção,
aquela que você mais gosta,
que te fale de amor ou de ilusão
e se aperceba, no quanto ela te nota...
Pode até parecer estranho,
mas vou te dizer,
seja em quem você pensar,
ela tocará para você...
Se você estiver tristonho, um
vai te tocar e no caso arrependido,
pega e volta pr'aquele lugar,
mas jamais fique no MI só de você...
Depois sinta o FA-SOL,
que em -SI faz um soprano em
suave bemoL...
e se deixa te levar...


Lívi@petitto

domingo, 21 de março de 2010

Não pare, continue...


Como é bom dançar contigo,
neste valsar, me desligo e te sinto...
Não, não pare, continue, me leeve...
Te sou entrega neste instante breve, mas te
pedindo que não pare nunca...
Impregna-me nesse arrepiar de pele,
a tua na minha roçar,
faça o giro, me embriague,
atendendo aos meus apelos
e sela as nossas bocas com desvelo,
deitando os teus lábios quentes,
nos lábios meus a beijar...
Esqueçamos de tudo,
se somos a tela, façamos as falas,
entre os sentidos desse ato mudo
e o enredo de nós dois, desnudará os
segredos como da flor, perfume exala...



Lívi@petitto

sexta-feira, 19 de março de 2010

Esses Homens....


Por que não falar dos homens
como se fala tanto das mulheres,
dizer apenas que todos eles são iguais,
que diferença que faz,
se como mulheres, estamos dentro,
nestas palavras banais...

Fomos nós que fizemos esses homens,
lhes demos a vida, amor, um nome
os inspiramos a nos dar conforto,
cientes de que precisamos um do outro...

Que bom que somos assim diferentes,
sendo resultado da soma que compomos,
entre rimas e versos, elos conscientes,
somos o que somos...

Homens de mentes pensantes
o que te faz planejar
assim com o olhar tão distante
a matutar, matutar...

Sois forte e as vezes tão frágil
carentes de colo e mãos a te afagar
na consciência, a responsabilidade
e isto te leva a pensar...

Na cabeça o cansaço,
nas idéias a tua coragem
esses homens preocupados
não são ausentes, fazem viagem...

Uma vez descontraídos
pai e amigo, é bom demais
são meninos brincalhões
dissipando nossos ais...

Esses homens tão requeridos
só precisam de atenção,
neles somos o amor e a paciência
eles em nós, a razão...

Parabéns homens amados
que vida a nós tanto idolatras,
sois eternos apaixonados
a nos exaltar como fadas...


Lívi@petitto

quinta-feira, 18 de março de 2010

Orkut...


Um compacto feixe do mundo,
uma pátria de corações que bate,
de sentimentos vários, profundos...

Alguns de retratos falados,
outros, de retratos sentidos,
outros ainda duvidosos,
e no meio de todos,
os todos escondidos...

Não se torna possível defini-los
quando sequer os conhecemos,
vidas de procura por encontros,
que lhes atendam um pedido...

Vidas de mentiras e de verdades,
rostos de sinceridade, e hipocrisias,
d'um jeito ou d'outro, todos intocáveis...

Nesse mundo criativo passional
tem gente de todas as idades,
tem até crianças inocentes,
da ilusão fazendo parte..

Tem mocinha, tem vilão
choros e velas, poesia e festa
amarguras, desenganos, contradição,
fuga viciada, opção que resta..

Orkut, um mundo de idéias
de características diversificadas
vidas que por si, já não se importa
quando detrás de cortinas para a do
outro, se olha...



Lívi@petitto

quarta-feira, 17 de março de 2010

Desejos...


Quisera me fosse possível
materializar todas as minhas fantasias,
sairia de mim e aos teus olhos
me exporia, dando-te a realeza dos
meu desejos insanos...
Então eu durmo,
deixo que minh'alma inquieta,
me realize as vezes desses sonhos...

Lívi@petitto

segunda-feira, 15 de março de 2010

Bêbado!


Bêbado!
Segue nesse teu balançar
que se arrasta na estrada,
ora para cima ora pra baixo,
em se jogar...
Talvez, nem lembras do teu nome
mas atendes pelo uso codinome
que a sociedade se te fez chamar
Alcoólatra!
Soluças nas tuas cifras truncadas,
arrota os julgos das quedas mal baratadas,
impregnadas baforadas nas tuas
prosas com o ar...
Afoga neste teu aguardente
a tua insanidade,
erupida nas agruras da retina,
que a você embaça, podando a
tua liberdade...
Segue bêbado em tua caminhada
vertente,
bate tua cabeça sobre a guia,
como aparato que te detém as forças,
segurando tua teimosia...
Esquece e te delicias, da ausência de
tuas chagas,
depois, te levantas dessa masmorra
e conclua a travessa, onde monstros mecânicos
de lata, rasgam passagem
que você nesses teus passos oblíquos,
sequer sabes, estar sendo premiado,
em promovida viagem...
Bêbado, acorda! abra os olhos,
ainda que tudo esteja escuro, nesta fria
tela mansa, está teu porto seguro,
onde agora tu descansas...


Lívi@petitto

domingo, 14 de março de 2010

Qualquer dança...


Toca pra mim, que danço com você,
uma canção melodiosa
que seja talvez um tango ou
se você preferi, pode ser uma valsa...
Se acaso a gente enjoar,
vamos pra velha guarda e tentar
o iê, iê,iê,
a gente se diverte pra valer!
e se alguém por ventura, pedir
pra tocar um rock, basta me dar
um toque e a gente entra na fissura
mostraremos que somos bambas
e depois... partimos pro samba
Não esquente com nada, relaxa!
amanhã a gente descansa
após ainda una bela cancione
de la cigana...

O que você acha?

Lívi@petitto

sexta-feira, 12 de março de 2010

Pessoas e Estações...


Essas pessoas
que aparece em minha vida
me são como as estações,
trás pra mim a alegria e afaga
o meu coração...

Se me encontram feito outono
qual folhas secas, caídas ao chão,
me acalentam de esperança,
dizendo ser renovação...

Em meus momentos invernosos
de tristeza, arrefecida,
entre os braços me aquecem
me acalorando à vida...

Me chegam ornados de flores,
como se fosse a primavera,
dizendo que sou primalívia,
nascida no meio delas...

Já no verão me sopram brisa
me banham de carinho, refrescam
minh'alma,
entre dores e espinhos,
me abanam com jeitinho,
me alivia e acalma...


Lívi@petitto

quinta-feira, 11 de março de 2010

Por tantas já debrucei...

Linda janela pintada pela amiga
Leah do Blog "Minhas Pinturas"
http://pinturaartesanato.blogspot.com/
Visite!


Quão jardinada e bela aquela janela,
apreciável tanto quanto a minha,
toda pintada, verdinha, que por ela
me encantei,
Esperança talvez, não sei...
Adoro janelas, até mesmo o nome delas
por tantas que me debrucei...
Todas elas tem performances
das partidas que acenei,
inspirada nos romances, seguindo
perfis indo longe, d'outros adeus
que não dei...
Não posso viver sem elas
porque sei que sem janelas,
nunca mais eu cantarei...


Lívi@petitto

quarta-feira, 10 de março de 2010

Morte e transição...


O que falar da inoportuna morte?
pra mim, não tem nada tão pior
há quem diga ser a sorte
mudança daqui, pra melhor...

Olhando por esse lado,
parcialmente eu concordo
depende da travessia
o nosso destino alcançado...

A morte é dissimulada,
sem cara, aterroriza e assombra
deixa a vida amordaçada,
e a felicidade em coma...

Não é no tamanho da dor
que se faz sempre vencida,
por vezes pequenas causas
ela chega e leva a vida...

As vezes penso ser bem pessoal,
a vítima de partida, seguir
já suportei um aneurisma
e essa briga, eu venci...

Quatro anos depois volta
querendo vingar-se de mim,
arrastando o companheiro,
por uma nefrite nos rins...

A morte é taxativa
ou a vida é contraditória?
um sentido de razão ulterior,
faz retorno a moratória...

Saudades...
*23/01/1962
†10/03/2005


Lívi@petitto

terça-feira, 9 de março de 2010

Por que?


Agora eu sei, porque dizias
nunca haver conhecido o amor
mantiveste teu coração fechado,
e nunca dele, provou...

Disseste pra mim, que pelas
minhas letras se encantou
foi quando te convidei a navegar
comigo e você topou...

Entre os dilúvios do mar,
erguias as velas, comigo remavas
e me acalmavas,
sol a sol, chuva e frio por todas
as estações, um ao outro, se agarrava...

Houve momentos lindos,
quando as andorinhas pairavam
sobre o céu de nossos sentimentos
e a gente cantarolava,

Nos envolvemos...
como aconteceu, sequer sabemos...
Sabia eu dos teus impecilhos
e você consciente dos meus,
e ainda que fragilizados e lacônicos
nos achavamos fortes...
Mero engano, um sentimento nasceu...

Hesitamos, tantas vezes,
havia um salivar, um desejo de amar,
mas temiamos arriscar, nos respeitavamos
pois que livre era eu e as tuas vezes,
de mim eram contrarias...

Teu coração palpitava junto ao meu,
e eu, já não mais suportava,
aquelas ondas do mar me balançavam
tirando meus pés do chão, me levando
a flutuar...

Até que onda forte e precisa,
nos arrebatou, de encontrão
tua boca junto a minha, anseio e tesão,
entrelinhas, as nossas línguas selou...

As velas se armaram sozinhas,
ao mar, a âncora se atirou
o céu, fez-se fecundo naquele instante
e nas fagulhas impetuosas, delirantes
ele também mergulhou...

E agora, sofremos distantes,
deixamos de navegar...
Sei que não foges de mim,
foges do que sentes, sem coragem
de um adeus me acenar...
Apenas manténs o teu sinal,
para que o meu amor, não se arrefeça
como que a implorar, que eu não te
esqueça...

Por que?


Lívi@petitto

domingo, 7 de março de 2010

Mulher...


D'um virginal querer, o teu sexo despontara,
por uma glória ungida do céu, caída ao chão
da rosa, um coração se destacara como pétala
que do solo, um aroma de flor, se levantara...

No horizonte, tua silhueta se mostrara,
nuvens modeladas, onde os pássaros desenhou
ilustrando formas sinuosas e delicadas
uma musa no espaço foi então que se formou

Teus cabelos como a fronde das palmeiras,
estampada graça no espaço, assim bailou,
enlevados com mestria, um aceno as cotovias
fez-se coro tua chegada e a natureza cantou...

Te agraciaste sob a inspiração de Maria,
de ternura sublime exaltando teu valor,
pelo presente da vida, foste de fato o luzir
e no fulgor sacrossanto, a divindade do amor...


Lívi@petitto

sexta-feira, 5 de março de 2010

Bom Senso...


Não falo tudo o que penso
mas o que sinto,
busco trabalhar o meu senso,
por isto não minto...
Nem tudo que falo, penso,
quando a fala impulsiva, atropela
o pensamento...
Tampouco tudo o que penso, falo,
por coerência, me reservo e calo
em respeito ao outro, o sentimento...
Não sou a dona da verdade,
vou ao ponto, tricoto, me atrevo
acertar o cesto, só depende
do meu arremeço...
Procuro não fazer julgamentos,
observo, analiso e tento,
não ofertar cartão vermelho
quando ao outro, me assemelho...
Se dois são os lados,
não posso me postar a frente,
mesmo que em posições adversas,
considero atributos adjacentes...
Meus defeitos estão aí, evidentes
não me julgo ser melhor do que
ninguém,
lamento ser ainda diferente...



Lívi@petitto

quinta-feira, 4 de março de 2010

Toque-me...


Gosto dessa aragem que me alisa a face,
como querer me afagar, trás o sussurro do vento
me envolvendo devagar...
E nessa inerente folhagem, sinto o deleite,
me permito recostar, fingindo ser o teu colo,
a me incitar...
Um calor que sobe o peito, um suave arrepiar,
um coração que bombeia, um canto de mim, rociar...
São as tuas mãos fagueiras, que fazem minhas
cordas vibrar e deixo-me como violão, ao seu toque,
as minhas notas tocar...


Lívi@petitto

quarta-feira, 3 de março de 2010

Sexo...


Sexo é um anexo
selado num canto da gente,
um ponto sacramentado,
revelador simplesmente...

Não segue atrás de consultas,
mas é sempre consultado,
pelos olhos do prelúdio
se faz solto, provocado...

É documento importante
diante das leis naturais,
procriador incessante
fórmulas das físicas morais

É saudável e prazeiroso,
pena não ser respeitado,
por um cio voluptuoso
sem amor, vulgarizado...

Jamais se dar por inválido
sempre vivo, a seu grado,
ativo por ser do seu gozo,
mas pode ser sublimado...

Sexo,
força de atração, consequência,
louvado a dois, comunhão,
entre bocas, mudas falas,
plenitude, fundição...


Lívi@petitto

segunda-feira, 1 de março de 2010

Alma...


Essa alma que não dorme,
apenas de sonhos, se alimenta e move
e nos horizontes mais longiquos,
se comove...
Da cama, apenas um corpo se levanta
e ausente dela, segue...
Houve chamados, mas alienado,
ante palavras ouvidas, esquece...
Alma de abandono, que sequer estaciona,
ousada fuga do presente,
ainda que não te coloque às vistas,
sois estampa colorida, sensória ao que
o molde sente...
O que a faz ansiosa, nessa inquietude
tão súbita,
e nas buscas sem resposta, pra tua casa
não voltas,
de resistente forma escusa...


Lívi@petitto