sábado, 11 de dezembro de 2010

Asas


Asas que anseio tanto,
bendita sejas tu, o pensamento,
alçando-me em voo santo,
dissipas os meus tormentos...

És pluma que me abanas,
das horas que vezes sangra,
dores e lamentos...

Quem ousa podar-te, não sabe
que esse poder não se tem,
asas de meu pensamento,
Teu voar é ameno e me levas além...


Lívi@petitto