segunda-feira, 25 de outubro de 2010

O Tempo...

Nunca estarei de alguém distante...
Me vejo como as andorinhas,
sorrindo pra vida, asas esvoaçante...
O tempo, se mostra como um boiadeiro:
ordenha, tocando seu berrante,
nos dando a hora do recolhimento...
E assim me posto, como um estágio,
um negócio, uma ata a cumprir
deixando que ele se defina na sua mais
nova proposta...
Ainda que na rebeldia, eu me disciplino,
porque de um jeito ou de outro, nada
posso mudar e acato, sem discutir...


Lívi@petitto