terça-feira, 14 de setembro de 2010

Quando ela se liberta...


Seria fácil dizer que amo,
a quem de mim está perto,
quando os olhos de certo,
se mostram atentos, espertos...

Dizer que amo distante, seria bem
interessante, quando a alma assim
liberta, a um coração se conecta...

A palavra faz a trama, quando
a alma faz o jogo
e por tão viva, ela não se engana
e sente quando ama de novo...

O tempo então se embola
ela se perde nas horas, no passeio
que lhe encanta...
E fica assim tão serena, que mesmo
distante acena,
ao coração que ela ama...

E ela a si mesma, bendiz:
-Não te fogo, mas em mim
há chama e ainda que distante,
me fazes feliz...


Lívi@petitto