quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Era vida...


No gélido lençol de cama
uma lembrança me assanha,
a saudade de um bem
um corpo se arde em chama,
o desejo clama e ele não vem...

Tornei-me o próprio outono,
vida ressequida sem dele o suor...
como um inverno, frio e chuvoso
perdi a energia, estou só...

Já não existe mais primavera,
nem rosas e cravo, apenas um nome
já não exalo mais o cheiro delas,
nem desse nome, o perfume...

Era ele pra mim o doce verão,
o afago de brisa, em mim o calor
o suor do meu corpo, a sensação
o ardor fecundo, o gosto do amor...

Saudade dele foi o que restou,
desse nobre homem, que vida me deu,
telepatia, dois em hum e sintonia
era vida, o que a gente viveu...



Lívi@petitto