segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Somos o que queremos ser...


Não some o que você já deu,
nem o que fez ou deixou de fazer,
mas o que você já recebeu...
Também não queira entender, apenas
aceite o outro como é, da forma
como assim, desejas ser aceito.
Podemos ser uma frente fria,
uma onda de calor, como nas mãos
uma luva e não ser o cobertor...
Podemos ser as marcas do chão
que pisamos, uma estrela, a plenitude,
como ser do outro os defeitos e
outras vezes, as virtudes...
Podemos ser vida inteira, uma nuvem
passageira e apenas um instante, como
água da ribeira ou terra árida pedante...
Quão necessários de ouvir, podemos ser
conselheiros ou da solidão, hospedeiros...
Podemos ser a cegueira ou como da luz
o clarão e ser o que se deseja...
Porque somos semelhantes em Deus...
Posso ser você e você pode ser eu,
Somos espelhos refletores,
visionários distorcidos, conjectores,
rebuscados das afinidades...
Nossa igualdade se encontra na evolução,
pois que somos eternidade...


Lívi@petitto