sábado, 19 de junho de 2010

Que seja uma estrela...


Se antes a casa era ambiente de festa,
tudo foi transformado em santuário de oração...
Ela desligou todos os sons e se deu ao
sinal do silêncio...
Puxou as cortinas, escureceu o ambiente
a carola relutante, contra uma vida deprimente.
Entre prantos, acendeu velas e as ofertou
ao Santo com pedidos de clemência e fez
juras contra os interesses mundanos,
se entregando a fios de noites, jejuando...
E contudo isto, achou não haver encontrado
a glória que buscava e Fraquejou...
Acabou por desmanchar o santuário, jogou
as velas fora, esqueceu o Santo...
Revoltada, reformou o recinto num presídio
botou grades na janela e se prendeu.
Hoje reluta por retirar tudo, mas perdeu
as chaves das grades e onde as colocou, esqueceu...
Nos instantes, aguarda passos lá fora,
alguém que ouça seus gritos mudos e reabra
suas janelas.
Que seja uma fresta de sol, um pingo de chuva,
qualquer coisa que lhe pareça o óbolo que busca
para o renascer da vida ou que no céu,
seja ela, uma estrela...


Lívi@petitto