domingo, 27 de junho de 2010

O Passageiro...


Passageiro, um eterno viajante sempre.
Enfermeiro das horas mórbidas, pelas dores que
se vivem, ressarcindo-as, com promessas de cura...
Ele que por tudo perpassa e as vezes entre voltas,
novos curativos, trazendo lenimento aos pensamentos
aflitivos e os leva embora...
E segue no trabalho incessante, intuindo respostas,
silenciando lamentos...
Ainda que seja por alguns momentos de passagem,
suavisa sofrimentos...
Ele, o passageiro da agonia, das horas mortas:
O filho do tempo...


Lívi@petitto