quarta-feira, 2 de junho de 2010

Negros olhos...


Oh alma esplêndida da noite infinda
que diz teu exuberante olhos negros
iluminados por uma luz tão bendita
nesse espaços alvos entre lampejos...

O que escondes nesse teu silêncio,
de inocência serena e mansa,
quando na fala guardas teus sussurros,
e nos olhos grita, a pureza santa...

Oh alma, solta o filme desse torvelinho,
deixa que eu te assista inda ilusão,
sei que voarás um dia como passarinho,
logo surja a aurora, no despontar da missão...

Mostra as dobras do teu orgulho, menino puro
sois fruto de inspiração, ávida esperança,
mostra a tua garra óh fulgurante raça!
como o estrelar da noite, a tua pujança...



Lívi@petitto