domingo, 16 de maio de 2010

Procuro por Ela...


Procuro pela minha Graça, que não
sei porque, não mais a vi
e não creio que tenha fugido de mim.
Era ela saideira, vivia de sorriso,
enfeitava minha vida, fazia dela
um jardim.
Me queria tanto bem, que até
fazia mágica, tudo bom, sem ruim.
Se me via chorar, ela dava risada, se dormia,
me acordava,
mas jamais me deixava sozinha, jamais
me abandonava.
As vezes eu a indagava, do por que
desmiolada e ela nem resposta dava,
saltitava feliz e gargalhava.
Um dia eu a seguir, por destrás de uma
árvore me escondi.
Lá estava ela, que mesmo na sua idade,
ficava de quatro, fingindo ser canina,
só para assustar um gato.
Então percebi ser ela uma menina,
como aurora matutina no seu jeito jovial
Que o tempo, ela quem fazia, que mesmo
na chuva grossa, não temia o temporal.
Talvez esteja perdida, quem sabe
até esquecida?
Choro saudade da minha graça...


Lívi@petitto