domingo, 23 de maio de 2010

Al Di La (Além)


Alma que desponta em tantos horizontes,
entre pontes pena e cenas, entre sonhos
em plenitude...
Vives cada momento, como se palpável fosse
muito além da nova era, o que sempre era e foste;
o que te faz contrária as leis viventes de apenas
ser quimera, nas matérias dessa terra…
Oh alma liberta! Quão sois intensa indo além,
do mais recôndito infinito, ultrapassando barreiras,
em voos tão bonitos...
Sois rica e bela e por todas as eras, conheces
os sentidos quando na inquietude, um algo esquecido
surge, no balanço do intuitivo...
Segue alma, assim tão leve, momentos breves,
cortinas descerra e quando no peito acalentares,
um tempo suscito, cerra teus olhos e abre tua janela...


Lívi@petitto