terça-feira, 27 de abril de 2010

Artesão do amor...


Me olhaste como uma renda fina
no seu toque suave, me extasiou,
vi nos teus olhos, quão se descortina,
de mim a silhueta, você desnudou...

E como um novelo de linha
puxando uma ponta, me desenrolou
revelando de pronto, minha parte
mais íntima e no acúleo da agulha,
você me sangrou...

Um coral noturno, assim despontara
no crepúsculo escarlate que você pintou
fazendo da agulha, teu nobre pincel,
enquanto jungia na tinta do amor...



Lívi@petitto