terça-feira, 9 de março de 2010

Por que?


Agora eu sei, porque dizias
nunca haver conhecido o amor
mantiveste teu coração fechado,
e nunca dele, provou...

Disseste pra mim, que pelas
minhas letras se encantou
foi quando te convidei a navegar
comigo e você topou...

Entre os dilúvios do mar,
erguias as velas, comigo remavas
e me acalmavas,
sol a sol, chuva e frio por todas
as estações, um ao outro, se agarrava...

Houve momentos lindos,
quando as andorinhas pairavam
sobre o céu de nossos sentimentos
e a gente cantarolava,

Nos envolvemos...
como aconteceu, sequer sabemos...
Sabia eu dos teus impecilhos
e você consciente dos meus,
e ainda que fragilizados e lacônicos
nos achavamos fortes...
Mero engano, um sentimento nasceu...

Hesitamos, tantas vezes,
havia um salivar, um desejo de amar,
mas temiamos arriscar, nos respeitavamos
pois que livre era eu e as tuas vezes,
de mim eram contrarias...

Teu coração palpitava junto ao meu,
e eu, já não mais suportava,
aquelas ondas do mar me balançavam
tirando meus pés do chão, me levando
a flutuar...

Até que onda forte e precisa,
nos arrebatou, de encontrão
tua boca junto a minha, anseio e tesão,
entrelinhas, as nossas línguas selou...

As velas se armaram sozinhas,
ao mar, a âncora se atirou
o céu, fez-se fecundo naquele instante
e nas fagulhas impetuosas, delirantes
ele também mergulhou...

E agora, sofremos distantes,
deixamos de navegar...
Sei que não foges de mim,
foges do que sentes, sem coragem
de um adeus me acenar...
Apenas manténs o teu sinal,
para que o meu amor, não se arrefeça
como que a implorar, que eu não te
esqueça...

Por que?


Lívi@petitto