domingo, 21 de março de 2010

Não pare, continue...


Como é bom dançar contigo,
neste valsar, me desligo e te sinto...
Não, não pare, continue, me leeve...
Te sou entrega neste instante breve, mas te
pedindo que não pare nunca...
Impregna-me nesse arrepiar de pele,
a tua na minha roçar,
faça o giro, me embriague,
atendendo aos meus apelos
e sela as nossas bocas com desvelo,
deitando os teus lábios quentes,
nos lábios meus a beijar...
Esqueçamos de tudo,
se somos a tela, façamos as falas,
entre os sentidos desse ato mudo
e o enredo de nós dois, desnudará os
segredos como da flor, perfume exala...



Lívi@petitto