domingo, 7 de março de 2010

Mulher...


D'um virginal querer, o teu sexo despontara,
por uma glória ungida do céu, caída ao chão
da rosa, um coração se destacara como pétala
que do solo, um aroma de flor, se levantara...

No horizonte, tua silhueta se mostrara,
nuvens modeladas, onde os pássaros desenhou
ilustrando formas sinuosas e delicadas
uma musa no espaço foi então que se formou

Teus cabelos como a fronde das palmeiras,
estampada graça no espaço, assim bailou,
enlevados com mestria, um aceno as cotovias
fez-se coro tua chegada e a natureza cantou...

Te agraciaste sob a inspiração de Maria,
de ternura sublime exaltando teu valor,
pelo presente da vida, foste de fato o luzir
e no fulgor sacrossanto, a divindade do amor...


Lívi@petitto