quarta-feira, 24 de março de 2010

Medo...


Medo, quem sois assim tão
pequeno, mostrando-se grande,
como vítima de tuas próprias caretas?
mostras cenas arredias ante a morte,
obstáculos e perdas...
Quem te pode definir nessa forma
como vem,
sois mártir, transpiras nas fobias
que tens...
Libera de ti a coragem, paga pra ver
te portas como um covarde, em teu
proceder...
deixa a tua intrepidez sobressair
solte-a e lute sem temer
mostre as armas que está em teu
poder e deixa, deixa acontecer...
Se entrega, nada terás a perder,
sentirás que ao fim da fuga,
o suor de tua luta, só vai te fortalecer
A careta do horror, se fará em sorriso,
da sensação o alívio e da coragem,
o vencer...



Lívi@petitto