quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Sem noção...


Por ausência de mim, eu fico assim, sem noção
o tempo me leva de tal maneira, que tudo parece
a certeza de que a noite nunca passa
e o outro dia, nunca chega...ઇઉ

Lívi@petitto


....................................................................................................

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Amigos...


Amigos, não faz intrigas
não causa brigas
força de amor e bem
amigos, mesmo que se diga
nos contratempos da vida,
não venha mais
ele sempre vem...
Amigos,
quando a dor nos castiga
ele torce contra e faz figa
doando tudo o que tem
Amigos,faz parte do canto,
mas se vem o pranto
ele chora também...

Amigo, Faça uma lista
de tudo o que deseja pra você,
depois saia por aí doando...
acredite, que na mesma proporção,
do que se dar, haverás de receber...

Entre meus amigos,
também está você!


Lívi@petitto


...................................................................................................

Voa liberdade...


Que Deus nunca tenha interpretado
mal os meus dizeres, nesta ânsia que
tenho por voar... Sinto, que através dos meus
pequenos passos, posso ir muito mais além,
do lado de lá...
Meu corpo é presilha de minha alma, e ela
no seu jeito, meio que atada, ainda assim
promove a dança pra que ele possa se deslocar...
Ambos bem harmonizados, fazem o compasso na
travessia, namoram de dia e a noite, sem egoismo,
se dão ao direito de se libertar....
Um viaja e o outro fica a sonhar....


Lívi@petitto



...................................................................................................

sábado, 26 de setembro de 2009

Amar de novo..


Descuidei, deixando aberto o coração
e um novo amor, dele se aproximou,
sentimento novo, já agora bem desperto,
me faz feliz, sei que posso amar de novo

Penso que vou sofrer outra vez,
sinto que existe outro recomeço,
não sei porque o sentimento é assim,
faz a gente chorar, grande é o seu apreço..

Aprendi que amar, sempre é preciso,
mesmo que forças opostas, faça o proibido
buscar o amor, nas razões de tantos versos,
no meio da prosa, ele se mostra atrevido..

Não sou culpada, juro que não sou
ele chegou como forasteiro, sem razão,
mostrou encantos e nos encantos se atrelou,
agora estamos loucos, loucos de paixão...

A vida é caixinha de surpresa, é rainha,
no tabuleiro do mundo, envolve reis,
faz a valsa, dar os passos se avizinha,
aprisilha, dar xeque-mate, expõe as leis...

Lívi@petitto



...................................................................................................

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Perdoar...


Nunca é tarde pra voltar atrás,
arrependimento, é a luz da consciência,
pelos acertos morais
Nunca é tarde para recomeçar,
corrigir as nossas falhas, e de amor
falar...
As dores da alma, se extinguem no perdão,
nos promove um sorriso, alivia o coração,
e na ânsia do querer, ofertar sem que olhos vejam
é mais tarde receber, da lembrança, a gratidão...


Lívi@petitto


..................................................................................................

Onde está?


Não, não é nas vestimentas pretas
que está o meu luto, eis o segredo
mas no interior de minh'alma
que inda chora, esse tempo negro

Nas lembranças mais distantes,
de acontecimentos tão raros,
os pensamentos inquietantes
me deixa a mercê de reparos,

Diz-se que junto com a noite
se vão todos os amores
e o fim de nossas dores,
surgirá com a nova aurora,
nunca mais eu vi o dia,
eis meu luto de outrora...

Nas mais diversas sensações,
anseio a chegada pela luz do dia
no reboliço de minhas emoções,
procuro o fruto de minha alegria..

Luto esse que me arrebata
dilacera o peito e descontrola
no meu desconforto das horas,
onde está, onde está a nova Aurora?


Lívi@petitto



...................................................................................................

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Luz Bendita...

Hoje sofri uma triste perda, um ente
querido que partiu. O poema abaixo descrito,
surgiu por força dessa razão e por mais
compreensível que seja, é lamentável demais...


Deus, na sua grandeza e onipotência,
fez o mundo, mais que perfeito, virgem!
nos ofertou as sensações, a inteligência,
com formas e lívre arbitrio, nos deu origem...

Jogados ao mundo de certo, por luz bendita,
fomos crescendo, principiando os desejos,
inventando sonhos, despertando instintos,
na percepção dos sentidos, fome, dor e medo

Na delonga caminhada, o surgir do necessário,
e o homem acordando as ideias a seu grado,
nos anseios dispertados de vezes até voluntária,
foi ele construindo, repassando seu trabalho...

Até que veio a carência, por fuga da solidão,
o corpo passou a pedir, na volúpia da razão,
nos toques sequiosos dos sentidos, jungidos,
fez sentimentos nascidos, força dessa emoção...

Seres foram surgindo, formação, comunidade,
mundo multiplicando-se frutos de amor: Deus!
caminhos, verdades, vidas! aprender e Amar,
pena que a passagem vivida, acabe n'um adeus...

Sim, a vida é razão, é acréscimo,
o usufruto, é empréstimo, acho certo,
mas é faca de dois gumes, a gente se apega
tudo porque somos frutos do eterno...

Lívi@petitto


...................................................................................................

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Eu de Mim...


Há um horizonte acolá
que se deleita sobre o mar
há um eu...
sozinho e, ao mesmo tempo,
cheinho de gente,
mas também, somente...
Dizem, que há um Deus, creio!
mas não o vejo...´
existe uma sensação, latejo
e a observar, permaneço...
Alguém chama e sequer aquele eu,
se dar conta,
seguindo a deriva, naquele lugar...
Fim de tarde...
quem consigo haveria de se importar
se nem mesmo o sol dar um sobreaviso
que está indo se deitar...
apaga as luzes e fecha as cortinas,
e a noite surge...
sublime imagem ofusca tal retina
e aquele eu... eu de mim!
agora, já não se sente mais sozinho...

Lívi@petitto


...................................................................................................

sábado, 19 de setembro de 2009

Burburinhos...


Há burburinhos frequentes
nos quatro cantos da sala
nos vários cantos do mundo
que não se cala...

Há burburinhos infames,
ligeiros, de línguas cortantes,
nas poses desvairadas e arrogantes
em julgamentos constantes...

Há burburinhos sem causas,
incrédulos, mentes devassas,
cruéis algozes da infelicidade,
navegantes da desgraça...

Esses burburinhos clamorosos,
nos vales da escuridão,
se embaraçam em seus protestos
não sabem o que é oração...

Lívi@petitto


...................................................................................................

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Não sou o silêncio...


Não sou o silencio, apenas uma voz
que se cala, quando ouve pensamentos,
e quando falo sozinha, debato com ele,
meus sentimentos...
Sou presença, ainda que na figura da ausência,
ambas irmãs contracenando as diferenças...
As nossas afinidades, estão no constante,
não somos meio termos, somos o que somos
concluídas em nossas desinências...
Eis que confundidas, somos gêmeas,
opostas nas aparências...
Mas podes definir-me assim:
Como uma, sou começo
como a outra, sou o fim...

Lívi@petitto


...................................................................................................

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Siga comigo...


Se não for possível voltar a beira do caminho,
deixa-me recomeçar, d'onde foi interrompido
e siga comigo...
e se n'algun instante eu resolver parar,
que seja pra uma lágrima rolar,
nada me pergunte, apenas me escute
e permita que eu te minta,
que existe um cisco nos meus olhos
a me encomodar...
finja que acredita, me sinta
e deixa-me chorar...


Lívi@petitto



...................................................................................................

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Segredos...


Que ninguém tenha visto
onde escondi meus pensamentos
quisera os pudesse dividir,
me envergonho, são lamentos...

Tem minhas cartas, minhas letras,
uma cartilha, lenço, cadernetas,
meus desabafos, minhas indagações
meus erros, minhas paixões...

Tem os meus pontos, minhas virgulas
tem as minhas reticências...
tem os verbos que mal conjuguei,
com as minhas maledicências...

Também tem as terceiras pessoas,
que eu julgava que conhecia,
meu orgulho, me fazia soberana e,
lotei minha mala de hipocrisia

Ah, as minhas notas musicais...
são todas feitas de nostalgias...
por que guardei tantas tristezas,
e tão poucas somas de alegria...?

Sim, eu lembro, bem que me lembro,
o que minha mãe sempre dizia:
filha, divida o belo, subtraia o triste!
de fato, eu era feliz e não sabia...

Lívi@petitto


...................................................................................................

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Afinidades


Duas meninas inconfundíveis,
Lira e Mara
no mesmo vestido e sapatos,
visíveis e claras..
Os cabelos ainda que trançados
num quase mesmo penteado,
no coração são legíveis, de
caminhos já traçados...
São irmãs? não. Embora, bem parecidas,
eis de genéticas diferentes,
almas gêmeas, a que se sente..
Uma foto, não de agora,
é retrato de outrora, de outras
eras nada mais..
Quem entende, esse encontro
em formas tão casuais?
as falas cósmicas emantadas
de luzes transcedentais,
uma inspira e a outra sente,
fazendo assim parecer,
que foi tudo de repente...
Alma e corpo


Lívi@petitto


...................................................................................................

domingo, 13 de setembro de 2009

Mônica, filha minha...

Foi esta tua foto que me inspirou
desde o primeiro momento que a vi..
Te amo muito!

Mamis


As vezes é preciso mostrar
essa cara,
cara de arteira, de sapeca,
do tempo das bonecas...

Tem vezes, que a gente precisa
deixar de levar sério à vida
sentindo à brisa,
assoprar nossas feridas...

As vezes dar a língua pro tudo,
ou até mesmo pro nada, se achar
que tudo está escuro,
subindo em arvores, pulando o muro...

Cantar, rir muito! até mesmo da
cara do perigo,
nunca perder o agito, nem a pose,
pousar pra tela do mundo
e dar um close...

Pintar com todas as cores,
encher o pulmão de ousadia
e gritar para que o mundo peça bis:
Eu sou feliz!!!

Lívi@petitto




...................................................................................................

sábado, 12 de setembro de 2009

Um ponto...


Um ponto, pode não ser um fim
mas um começo,
pode não ser a morte, mas a vida
ou talvez quem sabe, uma virgula...
Um ponto, pode não ser uma nota,
mas uma porta e ao invés de uma
uma chegada, uma partida...
pode ser um fim de linha ou uma curva
na estrada,
pode ser um indo, ou um vindo, um
homem ou um menino, do estático
ao continuo...
Mas se n'algum instante, não for dígno de
um sinal, concluo que seja um císco,
sem rumo, apenas, um ponto final...


Lívi@petitto


....................................................................................................

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Momentos...


Sim, a vida é linda
eu sei que é muito linda!
mas tem dia que está a minha cara
feia de doer
...e eu quero mesmo é morrer!
Mas calma aí,
não é dessa morte que todo
mundo imagina,
falo da morte do desânimo,
que chega e me subestima,
sem ter e nem porque...
Há no céu uma estrela celestina
que me pisca, me reanima,
as vezes, quisera fosse constante...
há momentos, que me abandona,
eu me abandono, torno-me um ser
delirante...
e na fragilidade com que me sinto,
largo minha boneca, deixo de ser
criança na forma facil com que me suscito
de perder a esperança..
Até quando será isto? me intrigo
e não chego a um ponto preciso...

Lívi@petitto



....................................................................................................

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Amor infindo...


Ah... gosto do teu jeito brando de chegar,
de me tocar, de falar aos meus ouvidos,
gosto do jeito suave de tuas mãos,
em cada toque, bulinar os meus sentidos

Gosto do teu intensional olhar, bandido,
ao arar esse meu corpo, como teu jardim
as marcas lavradas de você cupido,
amanhece o dia, ainda estão em mim...

Vem! singra no orvalho do meu suor,
desliza nesse corpo lentamente... imerges...
deixa que eu te sinta, no explodir do teu marejo,
nesse valsar mecânico que nosso corpo rege...

Amanhã... volta pra mim, te espero aqui.
o amor é vida, as sementes são continuas,
o nutriente vem de tua seiva, teu plantio,
o eterno viço que você em mim, germina...

Lívi@petitto


...................................................................................................

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Não me leia...


Sou o tempo, nas inconstâncias,
não me leia, apenas me sinta...
hoje posso ser o sol que brilha,
amanhã apenas uma chuva fina...

Sou os momentos de correnteza das águas,
no meu percurso, como elas se agitam...
correm ligeiras, sofrem alguns desvios,
somente no leito, se tornam benditas..

Canto poesia, faço verso e prosa,
de mim eu falo, num instante vago,
nem todo o caso é de mim verdade,
a vida dita, o que nas letras narro...

Caminho e paro, penso e indago...
observo cada detalhe, a vida mostra,
a mala, sempre do meu lado, arquivos!
porque sim e não, gostar do que se gosta?

Sim, eu busco respostas, elas existem!
nos meus porquês, o desejo do saber,
por isto, na minha curiosidade, avalio,
o porque, dos por quês preciso compreender..

Não! não me leia nas minhas letras,
as vezes uma certeza, outra, um engano
eu tento, juro que tento, definir...
mas falho, nas incertezas e desenganos..

Lívi@petitto


...................................................................................................

domingo, 6 de setembro de 2009

A cura do mundo..


A cura do mundo, começa pelo si mesmo,
desatar as presilhas, auto-abolir da escravidão,
deixar de lado o espelho, inteirar-se à vida,
desde as tenras formigas, até a imensidão...

Eis os exemplos deixados, vide a fraternidade,
patrimônio de inventário, luz de sustentação,
em cada coração, há um teor de verdades,
um falar, um sentido, caminho para libertação..

Há uma força que aclara, na razão do universo,
uma ciência bendita, chamando à compreensão,
nas letras da matemática, no comum das operações,
subtrai-se apenas erros, na luta pela Paz e União...

A cura do mundo está em nossas mãos, com arte!
sobrepujar as diferenças, na busca da igualdade,
dentro das leis de Amor e Fé, somos irmãos!
estendamos os braços, façamos a nossa parte...

Lívi@petitto


...................................................................................................

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

A minha Graça...


A minha graça, sou eu quem a crio
embora seja ela quem me educa,
vejo-a no espelho, na tela dos rios,
massageia o meu ego, me evita rugas

A minha graça não é passageira,
mora comigo, dorme a noite inteira,
fantasmas ameaçam, acordo gritando
ela me agraça e diz: foi tudo um sonho!

A minha graça, anda do meu lado,
sempre constante, me policiando,
ri da minha cara, faz estardalhaço
por quedas que levei e saí chorando

Essa minha graça que me determina,
esconde meus males, mostra meu humor,
me enleva a estima, diz que sou menina,
a olhar pros lados em buscar d'um novo amor..


Lívi@petitto


...................................................................................................

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Desequilíbrios..


É a natureza que grita
na briga insensata do tempo
nas controversias do vento
que abala os sentimentos
Chove lá fora..

O sorriso se tranca sem demora,
abafando a alegria que chora,
chega a raiva na ousadia
empurra a calma lá fora
eis que ela se molha...

O orgulho empertigado,
cheio de pose, no salto,
esbafora, xinga e briga,
manifesta rancor alto

Acorda de pronto o egoísmo
próximo das negras lembranças,
que explodindo em fogo tirano,
dispara, alimentando a vingança..

e a paciência tranquila,
aguarda com fé a razão,
que chega serena e precisa
trazendo paz e união...

Lívi@petitto


...................................................................................................

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Silêncio... (palavras soltas)


Amanhã eu penso, era o que dizia a mim
mesma, diante dos infortunios, das coisas que não
podia compreender nem muito menos resolver... e vivia
como criança, só pra não se deixar sucumbi pela vida adulta...
Alguém mexeu comigo, me acordou dos anos adormecido
e agora me vejo nas reticências, como chaleira efervecente,
onde as borbulhas, me obrigam a pensar, desobstruindo as
dúvidas...
Acordando... mas ainda sem me dar conta, em que tempo
estou...


Lívi@petitto


...................................................................................................