terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Uma Linda Mulher...


Um nascimento de alegria e festança
cujo hospital marcado foi, o dia xis
de reboliço a sala clínica, alvoroçada
já divulgava, ela nasceu pra ser feliz!

O genitor, ao saber ser uma menina,
foi pro cartório e lá chegou, gritando: Olé!
o escrevente, em seu posto, registrava
o nome santo que ele ditara: Linda Mulher!

Na face, dois buracos, sem bochechas,
coberta apenas por uma pasta, feito magma
dos olhos siameses, um bisturi os separava
refazendo rosto, com um pedaço de suas nádegas...

Pobre menina, era assim desengonçada,
em um dos pés, dois dedões, fora cortada,
em suas narinas, tinha apenas cavidades
e d'um dedão, belo nariz ela ganhara

Em sua boca apenas pele avermelhada
e amolecida, de algum enxerto precisava
excesso lóbulo foi extraído de sua orelha
de grande beiço, sua boca foi moldada

Crescera no amor, de educação agraciada
e no seu lar, viveu o exemplo de felicidade
essa Linda Mulher, causa de eterna piada,
foi consolada, por unico amigo, amigo Padre

Na mocidade, a tal desgraça a visitara
razão de incêndio à sua casa, os pais matou,
sozinha, jogada ao léu e sem morada,
casou com Deus e ao convento se entregou.

De crucificada amargura, foi a sua jornada
sofridas dores no poderio da rejeição
ante o descanso, se fez sorrir, gratificada,
contrário ao corpo, tinha n'alma a perfeição...


Livi@petitto