quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Não tem como esquecer...


Saudade, parece ser coisa que procuro,
um passado, que não tem como esquecer, juro!
mas que ao mesmo tempo, sinto prazer
e volto lá, naqueles momentos...
Hoje peguei as cartas, àquelas que ele escrevia
quando namoravamos...
as lia com tanto gosto, sorria e me divertia,
mergulhada nas suas loucas piadas...
naquela data, não chorava, tinha alegria,
e com a vida, sempre abraçada..
por nada sofria, tinha ele do meu lado,
me contentava...
Agora, as lágrimas caem, borrando a tinta da
caneta que ele usava...
Nada mais é engraçado, nesse intenso vazio
de minh'alma que na calma, de sofrimento sereno,
sinto gosto de amargo veneno, queimando
minhas valvas nas águas desse pranto,
que me lava...


Lívi@petitto