sábado, 29 de novembro de 2008


Quando eu era adolescente
minha mãe costumava dizer
que eu era a ovelha negra,
pelo meu jeito de ser

Dizia que eu era inconsequente
meio louca e rebeldinha,
por qualquer coisa que fizesse,
você não é filha minha!

Mas com ela, não discutia,
fingindo que não ligava,
saía a chorar, sem dizer nada
me colocando a pensar;

Que há de errado comigo,
triste me indagava,
sou alegre, sou menina
quero apenas ser amada

Boa mãezinha, apenas antiga demais,
tudo era proibido, em suas ideias tais
e eu, alegre, festeira e teimosa,
a brincar com a vida, em verso e prosa;

Hoje sou mãe, sou adulta,
mas veja que contradição,
continuo a ser criança
de pronta manifestação

Ainda me sinto arredia,
contrária as leis da razão
e por mais que me esforce,
clamo à Deus libertação...

(Livinha, 26/Novembro/2008)

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Obrigado Senhor!!


Das horas em que fico triste
somente Deus pode entender,
falo com ele, grito a indagação,
pra que não venha entorpecer

As vezes entre iras de revolta
outras mais ainda em rebeldia
sinto que a vida me bate a porta,
torno-me criança, teimosa, arredia

São horas que me fazem tensa
parece que nunca vai terminar,
reboliços de uma força imensa,
que penso está a naufragar,

Mas enquanto portas se fecham
noto inumeras janelas se abrir,
canais sonoros a mim conduzem,
por um alerta: Deus, está aqui!

E todo o peso, eu sinto diluir,
dos ombros cansados a doer,
um afago chega balsamizado,
ofertando sorriso, levando o sofrer...

Obrigado Senhor!

(Livinha, 27/Novembro/2008)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Ei, relaxe!!


Ei, tente balancear o seus maus momentos
pegando leve, deixando fluir bons pensamentos,
Xô depressão! não deixe vir na contra-mão
fazendo de sua vida, constante tormento..

Jogue fora, toda e qualquer poluição
o tempo passa, sem demora, trazendo solução.
Se não há o que ser feito, larga pra lá, não tem jeito,
estava escrito nas estrelas, segredos da imensidão.

O acaso não existe, tudo corre a seu tempo
não cai da arvore uma folha, contrária a sua hora,
te fez desacreditar, descepções e lamento?
creia é culpa do tempo, que sem aviso, nos devora

Ele passa como o vento, levantando só poeira
um moleque traiçoeiro, forte, rude e ligeiro,
mostra sua presença, se fazendo acomodado,
surrupia muitas vidas, no jeito frio, malvado...



(Livinha, 23?novembro/2008)

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Que me cheguem...


Que me cheguem pensamentos distantes
no mais ardente que experimentei
que me faça ouvir os teus sussurros
do louco amor que em ti vivenciei..

Que me chegue a sensação
no valsar de tuas mãos em mim
dedilhando meus sinuosos sentidos,
arando vida do teu plantio, enfim

Que me cheguem....

(Livinha, 27/Novembro/2008)

domingo, 23 de novembro de 2008

Você viu a dna Inspiração?


Sentimento de Poeta

Penso que a inspiração,
é livre, sempre a vagar
as vezes está comigo,
outras vezes a voar

Anda nas calçadas, nas rua,
no céu, florestas, no mar,
expontânea, singela, pura,
presente em qualquer lugar.

Tradutora por natureza,
expressiva a observar,
relata com tanta beleza
pensamentos ao luar.

É andarilha da vida,
de sensibilidade e emoções
faz morada por afinidades,
dentro d'outros corações...

(Livinha, 20/Novembro/2008)

sábado, 22 de novembro de 2008

Palavras Soltas...


E as horas vão contando,
ponteiro que roda girando,
o tempo que vai passando,
e o mundo que segue a rodar;
as pessoas circulando,
atônitas pra lá e pra cá,
não tem como deter as horas
nem o tempo, nem o ar,
pois que tudo vai rodando,
sem mesmo sair do lugar...
E lá se vai um pensamento
voando, simbora com o vento,
amarelando, envelhecendo
sem registro, sem tempo...
E daí? o tempo não pára,
e eu, tbém sou um papel,
esvoaçante, subindo aos
céus...

(Livinha, 14/Novembro/2008)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

O Ser e a Flor


O ser humano assim como a flor
tem essência, beleza, tem amor,
Assim como também tem espinhos
que nos fere, machuca, é dor.

Da essência tiramos qualidades
do seu encanto, sentimentos;
é doçura, meiguice, verdade,
espantando os desalentos.

Os espinhos, são defeitos,
tirano, opressor das criaturas,
machuca ferindo o peito,
transbordando amarguras...

Se pegarmos a flor com jeitinho,
não tem como se machucar,
na essência do seu carinho,
um sopro de amor, vai exalar

Carente em suas angustias,
assim é o ser humano,
quando não se tem amor,
reflete o seus desenganos.

Aponta espinhos com destreza,
fruto da sua insegurança,
revelando inconsciente defesa,
na unica força, que ele alcança.

(Livinha, 13/Novembro/2008)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Sim, Eu te darei!


Te darei a luz do luar
nas noites frias
escuras e vazias do
seu caminhar,
salpicarei de estrelas
as tuas pegadas
para que não te percas
em sua jornada
E nas minhas orações,
pedirei aos anjos
que te acolha no momento
tristonho,
quando já cansado,
chegar o sono,
para te embalar...
Quando ainda o dia chegar,
estarei com o sol
em minhas mãos,
para te ofertar
te aquecerei com ele,
bem devagar,
fazendo-te sentir acolhido,
pronto e seguro
para que eu possa te amar...

(Livinha, 18/novembro/2008)

domingo, 16 de novembro de 2008

Noite....


Como é escura, a boca da noite
penso que sinistra, ela devora,
na verdade, ela não vibra como açoite,
mas se faz em prece anti a nova aurora

Por isto chega e me adormece
prepara o cenário para o novo dia
inclui a minh'alma em sua prece,
prevendo-me acordar com alegria...

Prepara a sua aquarela, pinta a vida
salpicando de cores belo firmamento,
convida a orquestra dos passarinhos,
valsando as letras do meu pensamento...

(Livinha, 09/Novembro/2008)

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Meditando...


...E ele ficava alí a pensar:

Não é o sol que está se pondo,

sou eu que estou girando,

escondendo ele devagar....


(Lívinha, 05/Novembro/2008)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Sentimentos..


O coração pensa ser o maestro da vida
Pelo afeto, afeição e temperamento,
na coragem de luta, que nele habita,
a conduzir o ser, em seus sentimentos.

Chega a razão, dar uma tirada,
mostra ser discernido em sua altivez,
pois que é, no percurso da jornada,
inteligente, traz juízo e sensatez.

A dúvida, manifesta opinião
Diz que o coração, é flor
Por manifestar o seu amor,
enquanto que a razão é prepotente,
tem espinhos, não sabe dar carinho.

O desânimo, mostrando pessimismo,
diz estarem todos errados,
amor, flor, espinhos, seja o que for
nada existia, neste mundo conturbado.

Indignado,fala o otimismo,cheio de ânimo:
A razão, possui um coração, que na
dúvida, as vezes o desconhece,
fica as vezes perdido e desanima,
adormecido, ele se esquece;


Até que chega a Esperança,
que da Fé, se mostra prima,
injeta nele alegria, que se anima,
assim eu entro, quem o auxilia,
mostrando que todos somos uma família,

Que em estado de equilíbrio, somos união,
E por gerar vidas, tornamo-nos raízes
que por sua vez, sentimento solidificamos,
produzindo paz para que sejamos felizes...


(Livinha, 13/Novembro/2008)

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Viver é aprender


A vida é uma constante troca
porque todos carecem de amor,
seria egoismo invejar as rosas
qdo em teu canteiro tbém existe flor

Porque exigir tanta atenção,
privando teu irmão de bem viver,
não sois o dono do mundo,
é preciso dar, pra receber

Ciúmes? ha, quanto egoismo!
confie, se desejas confiança,
se coloque no lugar do outro,
trabalhando a sua insegurança.

Creia que amar é compreender,
construção em bases de aliança,
é incentivo de ver o outro crescer,
felicidade e Paz que se alcança...

(Livinha, 04/Novembro/2008)

sábado, 8 de novembro de 2008

Sim, Eu sou! (raízes)



Sou raíz de outros tempos e eras,
princípio vital, longíquos, ídos
alma sob efeitos de quimeras
resquícios do Divino, polídos

Fruto de viagem transcendente,
objeto do criador em reparação,
razão de trajetória contundente,
ainda omissa, para tal evolução...

Sou silencio, vozes do infinito
sou um todo, as vezes nada,
grão de areia, no oceano bendito
metarmofose, transe da virada.

Sou farelo da folha seca pisada
migalha de luz, também escuridão
a calmaria de equilíbrio na jornada,
aventureira dos algozes, ilusão

Eu sou tudo isto e porque não
outrora origem nata, desconheço
dos inquietos vírus da tentação,
nas páginas já viradas, desse berço

Enfim, quem sou?
Sou um ser ainda incompleto,
Com defeitos e qualidades,
Procuro fazer o que acho certo
Erro, por não ser dona da verdade.

(Livinha, 07/Novembro/2008)

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Das minhas inspirações...



Alguém soprou em meus ouvidos
de onde vem minha inspiração,
assustei, meio que sem sentido,
por tão eloquente indagação,

Eu, que muitas vezes deparo
com alguma manifestação,
não sei se vem lá do infinito
não sei, nem porque razão.

Talvez de algo bem concreto
duvido ser alguma alucinação,
as vezes, meu eu fala, é certo
noutras fluído por uma extensão

Sei apenas que me sinto leve,
levito como bolhas de sabão,
que filma o espaço, descreve,
um solto breve, em sensação

As uso como palavras soltas
sem, pontos, virgulas, ostentação,
livres, estão elas a voar nos ares,
meu alimento de força, superação.

...E a essa razão eu digo,
que a própria assim desconhece:
As palavras são gotas do mar da
sensibilidade
que o poeta, delas se apetece...


(Livinha,06/Novembro/2008)

quarta-feira, 5 de novembro de 2008


Siga os dias que lhe apraz
nesta semana que bela surge,
tropece, mas não pare no caminho,
para que encantos não se desventure...

Acredite que desafios, conselheiros são
os abrace buscando a solução
recebendo tudo como efeito aprendizado
serás vitorioso ao fim de sua missão






(Livinha, 04/Novembro/2008)

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Amor na matemática





















O amor, sempre será divisível
e por ser aplacável, é invencível.
Também
multiplicável,
estendido através das raízes;
Proveniente de
somas
onde diminuido, nunca será;
o que por sinal, torna-se fora,
pois que em "nada" se dará
A matemática é uma coordenada
de forma sequencial,
diligência à vida
na fórmula exata,
para do complexo,
tornar-se o natural...



(Livinha, 03/Novembro/2008)

domingo, 2 de novembro de 2008

Da Partida (Finados)


Trago-te a saudade
e a lembrança viva
de que vivo estou,
Pelos vales da eternidade,
de um tempo, in memorian
que dentro de nós se guardou;
Hoje, ainda que te pareça
distante, mais perto de
ti estou.
Mesmo que não compreendas
o sentido, me encontro redimido
a velar-te o mesmo amor...
Não houve separação,
apenas mudei de plano,
em necessária, precisão;
Meu coração inda raso, sofre
e te sente a sofreguidão...
Creia nada ser por um acaso,
Deus, na sua justiça e bondade,
nos acalenta a mesma dor
inspirando entendimento,
junto aos nossos pensamentos
de oportunidade e valor.
Obrigada pelas orações,
que me chegam como fagulhas
de luz,
enquanto que a você, retorna
as emanações de Jesus

Deus nos abençoe!



(Livinha, 02/Novembro/2008)

sábado, 1 de novembro de 2008

Todos os Santos


Pronto!
Pelo amor, deixei-me enfeitiçar
primeiro de novembro, chegou,
dia de todos os Santos
bruxa? agora nem mais sou...

Tirei as danada das rugas
o meu nariz reformei
deixei meu rosto bonito
feliz, como idealizei

Joguei fora os meus pertences
capa preta, patuás e caldeirão
enterrei os meus pózinhos
joguei porções ao chão,

E neste dia que chega
aos santos todos lembrados
oremos por todo planeta
para que seja reparado,

Proximo ano eu volto
assim como bruxinha,
feitiços e travessuras
e tbém mais receitinhas...

(Livinha, 01/Novembro/2008)

Halloween


Vem cá menina linda,
deixo eu te ensinar
a pegar o namorado;
basta o enfeitiçar
deixando tudo de lado,
assim se sentirá
morto e amordaçado,
os teus feitiços encantar...
Pegue um fio de seu cabelo,
na sua saliva faça um sêlo
e cole nos teus desejos,
Êle ficará atraído
louco pelo seus beijos,
até que o fio se perca,
bem antes que o dia
amanheça,
ele perderá a cabeça
e casará com você!!

háháháháhá!!!!!
Bobinha, depois ele vai escapar!!!





(Livinha, 31/Outubro/2008)