quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Sonhos que te dei...


Já me perdi nesse sonho, retornar, não penso
o céu assim, tão risonho, me inspirando a ficar
Estrelas piscam, espelho do seu olhar,
junto a brisa sugestiva, n'um corpo arrepiar

O tempo, agora já não me faz acordar,
da maravilha dos encantos em frenesi,
enquanto o ébrio no suor a si molhava,
mergulhada em seu deleite, me perdi...


(Livinha, 30/Outubro/2008)

domingo, 26 de outubro de 2008

"Minha chegada à vida - 27 Outubro"


... Enfim Cheguei.
com a vida em mim despontando
para longa travessia;
Era noite e não de dia
apenas brisa envolvente,
na calada do silêncio,
dos mistérios que trazia.
Ali minha história começava
e na capa do meu lívro
a minha fotografia...
Sou feliz em meu transpor
pela minha ousadia,
de anti-mão consciente,
a esta vida abraçar;
porém, sou temerosa
do que tem por me aguardar.
Anseio por minha infância
que adormecida na lembrança
sei que eu nada temia,
era apenas uma criança
alegre em minhas lambanças
e nada me entristecia.
Chorava porque queria
boneca, bolas, fantasias,
sem nada me preocupar...
Gente grande tem problema,
vive a vida num dilema,
cheia de altos e baixos
a se apavorar;
Quero viver pra cima,
em parceria, com a rima
sem medo de me arriscar,
pois estando a brincar
salto pra lá e pra cá
deixando a vida me levar...
Mas sei infelizmente,
que a infância agora ausente,
se fez por me abandonar...
Sou como essa gente adulta,
e mesmo sem querer ser,
tenho que me aceitar...
Tudo porque como adulta,
no meu medo de errar,
corro das garras do mundo,
pois não quero mais chorar...
Parabéns pra mim, se dessa
conseguir escapar...

Não quero me afogar nesse mar
que transborda em mim...
salgada, salgada,
maré baixa,
é assim...





(Livinha, 27/Outubro/2008)

sábado, 25 de outubro de 2008

Quem é você?


Ei, quem é você?
Parece que estás a me seguir?
em todo o lugar, em cada curva
em minhas visões, ainda que turvas,
percebo de mim, se aproximar
-Então não sabes?
Sou teu anjo da guarda,
que te acompanha e fica
a te embalar
Sei de todos os teus passos
te envolvo em abraços
a te consolar
Te chamo, ouvindo teus prantos
e me coloco a te acalmar
Você nem percebe, aí dentro de você
enrolada, como caramujo
xingando o mundo de sujo,
sem se dar conta do teu proceder.
Você cai, chora, nem sequer um arranhão
e eu aqui todo esfolado, por haver
te segurado e ainda assim, ouço um baita
palavrão
Que é?
Pensas que sois dona do mundo
e eu um vagabundo que não tem
o que fazer?
sai daí, retira esse laço de fita
cuida mais de tua lida,
e se põe a agradecer!
O tempo corre, o dia é hoje
e o ontem, não volta mais
Por isto viva o presente
perceba que não estou ausente
da vida que Deus te deu!

(Livinha,20/Outubro/2008)

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Voando....


Desejei alçar vôo, neste espaço infinito
aprumei minhas asas, e sair a voar,
fui atrás das estrelas, era dia, mas estavam lá,
embora ninguém as visse, eu via luz a brilhar

Desejei adentrar nas esferas infinitas
esta que ninguém, acredita que possa existir
porque está muito além do imaginário, um
recôndito santuário, bem difícil de atingir...

Mas estava decidida, precisava prosseguir.
Voei, e nas paragens do tempo, descansei,
enquanto apreciava tão belo firmamento,
nas plumagens de nuvens onde me deleitei

A viagem continua e mais acima, além da lua,
a Porta Estreita encontrei, me colocando a chorar,
era estreita, tão estreira, que não dava pra passar
e dona serenidade, se fez por me consolar...

Disse-me ser estreita, mas não recusar a entrar.
Entregou uma receita, aconselhou-me acalmar,
pro peso da carne extrair. Com força e persistência,
caridade e benevolência, minh'alma sublimar...


(Livinha,22/Outubro/2008)

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Homenagem ao dia do Poeta


Será que sou mesmo Poeta
quando em más traçadas linhas
redijo aquilo que sinto?
Sei que são puras e meras verdades
na forma com que suscinto...

Talvez não consiga exemplificar
como o alfabeto me chega
mas aqui, eu vou contar
sem eira nem beira,
de minha forma e maneira...

Ouvir dizer que Poesia é inspiração,
que pinta de um jeito, nem sei de onde,
como chega uma canção.

As vezes por uma palavra,
outras vezes por uma pintura
e a mente forma um quadro
belíssimo de literatura...

E vejo as letras correrem
se aninhando, uma a uma
começam formando sílabas
como se fossem carne-unha,

Depois dançando de cá
com outros passos de lá,
a procura de um par...

As vezes entre tropeços,
não se encontram direito
por falta de afinidades,
pois que a bem da verdade,
elas querem é combinar.

É como um casamento,
visto que sem conivência,
fica tudo sem sentido,
no trato da convivência...

Por isto a combinação,
que se buscam pra dançar,
as letras sentem prazer
no sicronismo que dar,

Laçam entre si maravilhas
entre flores, céu e mar
metaforando a natureza
de plenitude a rimar...

E assim vou assistindo
um filme que está a passar
na mente, em desatinos,
que acabo por poetizar...

(Livinha, 20/outubro/2008)

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Um anjo me falou...


Semana a vista
e eu seguirei a rísca
nesta travessia.
Vivendo cada momento
de noite e de dia
nas surpresas que me
estão reservadas...
A lembrar das ditas
palavras de um anjo
pra mim:
...Não chora, estou aqui,
e juntos a gente se apóia;
Não se entristeça, encontrareis
alegria;
Raiva? não, te acalma,
deixe fluir a Paz em
tua alma, a sentir a essência
que exalas...
Te bate a porta o desânimo?
Não abra, apenas
cante que ele beberá
do seu ânimo e também
cantará...
O tempo ficou numblado?
não importa, amanhã
o sol virá no tablado
reascender esperança...
Problemas? e daí?
se vc não pode resolver
pra que sair por aí
a enlouquecer?
Verá que a vida se te fará
mansa, calma sem demora
neste tempo que se avança
no despontar de nova aurora
Por isto tenha uma feliz
semana, na Paz que
Jesus emana....

(Livinha, 19/Outubro/2008)

domingo, 19 de outubro de 2008

Era uma vez...


Enquanto um tal coração, fica a pulsar
o pião rodopia sem sair do lugar
chamando o coração para uma contra-dança,
e esse, em alternância, tenciona acelerar...

Cada vez mais ousado, lá vai o pião danado
ao coração se achegar, com voltas e estripulia,
fazendo malabarismo, ao presente se mostrar;
e o coração já envolvido, tbém quer rodopiar

O pião varando a festa, no meio de toda gente,
salta feliz e contente, a emoção querer mostrar,
enquanto que o coração, agora com taquicardia,
briga com a timidez, lutando por se realizar...

Danado desse pião, que tenta querer dizer?
quando o pobre coração já começa a se entrigar:
rodopia, faz a graça, parece querer se envolver,
mas, se isto for um jogo, jogarei para vencer!

É o que diz o coração....

(Livinha, 19/Outubro/2008)

sábado, 18 de outubro de 2008

Imaginação...


Pensamento é viagem,
mistura de imaginação
e também de realidade...
Vale à pena, dar uma saída,
isto é bem verdade,
pois imagens construídas
é pintura criativa,
marco de intensidade...
Nostalgia é sentimento bonito
embora faz doer o lado sensível
do algo vivenciado,
mexido em ponto dorido,
ou até mesmo florido,
não importa, trás saudade...
Mas na perfeição Divina
somos ave de rapina
buscando libertação,
encontrando a esperança,
pondo um ponto na questão,
pensando em reconstrução...


(Livinha,18/Outubro/2008)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Palavras soltas...


Existe um algo dentro do meu peito
reclamando por carinho,
falando de amor,
e eu, aqui fico a pensar onde estará?
A solidão bate a minha porta,
insistindo em querer entrar.
Distraio os meus ouvidos,
pra não querer escutar...
Vai embora solidão, por que teima
fazer sofrer o meu pobre coração?
Pego um livro, faço uma leitura,
afugentando a inquietude
que me procura,
mas os olhos correm em vão,
nos trilhos da literatura,
e não lhe dou atenção...
Perambulo pela casa, o que fazer?
dirijo-me para o computador:
Algumas linhas eu traço,
porém não me refaço da minha dor.
Não tenho mais o que indagar,
das parábolas de minha vida,
tenho que estudar, compreender,
e acabo no vazio do meu padecer...
Necessito falar, alguém pra
me ouvir,
enfeitar de flores o meu existir
e me sentir mulher...
Preciso amar, sentir amada,
e não viver apenas do lirismo,
desta cartilha abençoada, bem sei,
mas de uma metade que componha
a minha sede de companheirismo.
Meu Deus, perdoe o meu clamor
quando que os meus cinco sentidos,
despontam apenas no amor, amor, amor...

(Livinha, 17/Outubro/2008)

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Das aflições...


Não se demore a buscar o teu socorro
nas aflições que te velam a todo instante,
deixe ascender dentro de ti a esperança,
Deus está perto de ti, e não distante...

Creia na luz que te adentra a porta
bem como na magia do resplandecer
creia em cada vida que afigura o mundo
como o sol que chega em cada amanhecer

Creia na voz que te chega no silêncio
trazendo mensagem dentro de você,
sensibilizando positivos pensamentos,
para assim, teus problemas resolver...

Por fim, ame muito, ame a vida
na oportunidade de sua trajetória,
não esmorecendo, sentindo-se capaz!
para que possas alcançar a sua glória

Paz!

(Livinha,15/Outubro/2008)

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Acredite!


Te sentes agitado, confuso, aflito
procura um recanto bonito
sossegado, tranquilo e segue
a meditar...
Não entre em desespero,
pois que é nosso inimigo,
tirando o nosso sossego
e nos fazendo chorar...
Pense: Que se não está
em suas mãos resolver...
Espera, haverás de ver
que assim como o vento
sopra e faz a varredura,
os dias tbém levam os teus
problemas, te promovendo
a cura, afim de que sintas
novamente o bem-estar.
Confie no cara lá de cima,
pois que somente ele
te anima, a continuar...

(Livinha,14/Outubro/2008)

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Penso em você...


Quisera eu pudesse adentrar
o teu coração, na mesma força
com que sinto a sua atração,
com que te atraio, com que
a mim atrai
Já comunguei mtas vezes
comigo,
se não estou errada contigo
em sentir que esta força,
é recíproca meu querido...
Teus olhos adentram os meus
por isto indago a Deus
até onde devo ir,
como posso resistir
ao teu encanto, que agiliza
meu peito
e num breve balanço
me faz vibrar...
não sei, não sei,
penso em arriscar,
até quando achar que
posso suportar.
Vejo a vida me sorrir
quando estou perto de ti,
mas logo preciso ir,
pois nosso contato
é meramente casual,
e logo saio, a dizer tchau..
Queria te tocar, te sentir
e por que não te amar?
mas as barreiras se faz
presente entre nós,
como parede de vidro
que está ali, mesmo
que sem sentido,
a zombar de mim...
Ah, como eu queria sentir
o seu gosto ainda que
só por um momento,
pelo menos assim,
levaria teu sabor
em meu pensamento...

(Livinha, 14/Outubro/2008)

Vencendo Barreiras


Como adulto, sigo a razão
como criança então,
sigo na minha inocência
sem saber das influências
de todo o meu proceder.
Prefiro assim, para
descobrir o mundo
sem medo de me atrever,
desconhecer os limites,
romper os obstáculos,
ser constante, sem cansaço,
livre dos embaraços,
a vencer a imposição...
Preciso violar o consenso,
ignorar o bom senso,
e sair de pé no chão;
Não quero ver para crer,
mas sim, crer para ver
que estou aqui pra vencer.
Quero rolar na descida
alpinar a grande subida,
livrando-me das amarras,
sem receio de me machucar.
Chorar, sorrir, brincar,
sem me importar com as leis
que me venha a julgar.
Quero ver a fanfarra passar
e com ela, me deixar levar,
descobrindo uma ponte
que me leve ao horizonte,
sem medo de ser feliz...

(Livinha, 13/Outubro/2008)

domingo, 12 de outubro de 2008

Ser Criança...


Sim somos crianças,
em nossas alianças
primaveris,
sorrindo, contente com a vida
brincando de ser feliz...
Chorar, depois sorrir
magoar e esquecer,
chupar sorvete e pedir bis
viver, correr, crescer...
Ficar por vezes enjoado
carente, pedindo colo
riscar o chão de amarelinha,
também montar à cavalo
Olhar para cima e ver no céu
muitas plumas de algodão,
bem docinhas como mel,
formando desenhos na imensidão...
Infancia que não se acaba,
no viajar das lembranças,
tirar no pé as jabuticabas,
ser o prazer de criança...
É ser plenitude e vida
criatividade e ação
desponjado de saúde
viajando em seu balão...
Feliz dia das crianças
criança eu, você, nosso irmão
ser criança é esperança,
Sejamos esperança então!






(Livinha,12/Outubro/2008)

sábado, 11 de outubro de 2008

Sonho de menina...


...Sonhei. Eu, menina ainda,
a observar a chuva que lá fora caia...
que cada clarão que no céu via
eram raios azulados, como cordas
que jesus jogava pra mim,
para que acalentasse meu choro,
enxugasse meu pranto, assim...
eu tinha medo,
e cada faísca que saía,
logo um estrondo se ouvia,
a me assustar...
o vento, balançava as plantas,
destelhava casas e eu a chorar...
avistei uma tábua,
cujo vento me trazia,
e fechei meus olhos...
Escutando o que um anjo dizia:
Pegue as cordas azuis, faça um balanço,
e se põe a balançar, que a brisa mais leve
teus olhos vão secar...
Ouça o cantar dos passarinhos,
nas arvores que balançam seus ninhos
para te alegrar...
O sol, logo aqui estará,
para as flores do jardim, fazer brilhar;
amanhã, quando você acordar...

(Livinha, 10/Outubro/2008)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Colheitas Benditas


São tantos os ramos
que venho colhendo
de amizades infinita
que penso se não estou
devendo
as alegrias Benditas...


(Livinha, 07/Outubro/2008)

Receita Interior...



Do pingo alegria, tomei um gole,
Com a gota da chuva, me benzi,
Sequei-me no raio de sol,
No rabisco da saudade, te senti.
Nos riscos da esperança, janelas abri
e acabei por me embriagar no gosto
da felicidade...



(Livinha08/Outubro/2008)

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Verdadeira Riqueza


Eis o símbolo da riqueza
pois que junto com a pobreza
é o maior bem, que se tem
Tras consigo o sorriso
do viver num paraíso
sem inveja de ninguém...
Esse amor,
desconhecido do "Ter",
agasalhado no "Ser",
recusa sentir o frio...
pois que recebe calor
no quadro que faz amor
e jamais se mostra vil...
Imensurável valor
trabalhando o divisor
em ciência mais que exata.
Operações que já são
natas,
e por nada casual,
dos valores Espiritual...


"Quando o amor
torna-se anfitrião do lar,
é notória a bastança da
Felicidade. Isto é
Riqueza..."


(livinha, 08/Outubro/2008)

Menina a voar....


Sinto caminho fechado
Tudo, tudo parado,
E eu aqui sem saída...
É como um labirinto,
me provocando emoção,
e muitas são as portas
mas nenhuma opção...
Feliz eu me sentiria,
Se lá por cima, passasse
belo cavalo voante,
a promover-me viagem
fluindo e levitando,
apreciando paisagem...
Não haveria trotar
nem tão pouco galopar,
Apenas plainar
Leve, leve
Com sua crina,
Entrelaçando meus cabelos
esvoaçantes pelo ar,
como se eu fosse menina...

(Livinha,02/Outubro/2008)

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Tempo Girante


O tempo gira, gira
como roda gigante,
e torna-se roda
tempo girante
e mais que passante
passando vai,
e um dia já se foi
e depois dois,
uma semana
e depois?
uma quizena,
vinte dias,
passou um mês,
e lá se vai
tudo outra vez;
É a roda que gira
é o tempo girante
é a vida, é a vida
com seus tripulantes
É a roda que fecha
é o fim, é o fim
e logo se abre,
é mais um
querubim;
É um círculo vicioso,
é o viciado no vício,
é a roda girante
que o tempo não pára
porque torna gigante
essa roda que gira,
e que passando,
passante vira,
e se possante,
nos levando vai;
Que chegue o fim,
que venha o começo,
é o tempo, é o tempo,
é o fim do começo
é o começo do fim...





(Livinha,o4/Outubro/2008)

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Outubro....


O mês de outubro
A vida me trouxe
e eu, chegando a gritar,
por um clarão que se abriu
para os meus olhos ofuscar.
Queria o seio de mãe
que a mim estava a embalar,
oh mãe, como eu queria
para o seu ventre voltar.
Mas ele não mais suportou
me expulsando de lá...
Hoje a Deus agradecida,
Por eu nascer neste mês,
que outubro santifica
a minha Santa Aparecida
que faz ao mundo Feliz;
Não esquecendo ainda,
de São Francisco de Assis,
que emana junto a santa
o símbolo de toda pureza,
pois assim como as crianças,
animais tbém são beleza.
Quanta alegria que sinto
dum mês que a vida me deu
lembrando ainda agora,
do São Judas Tadeu,
e nestas lembranças minhas
encontrei Santa Terezinha
e dou graças a Deus.
E finalizando aqui,
digo de forma concreta
que acabei por descobrir
que Outubro, é o mês
do Poeta...

(Livinha, 05/Outubro/2008)

sábado, 4 de outubro de 2008

Sedução....


Me arrastas na viagem
dos teus sonhos
flutuantes de desejos
que enlouquece
sem malas, embarco
neste teu mundo
que me cheira tentação
e me apetece...
Qual luz que ainda
apagada se mostra,
embalada no folguedo
da paixão,
faz-se clara qdo hora
me seduz,
pelo imã poderoso
de atração...
Inebrias o sangue
em minhas veias,
qual água efervecente
ebulição,
rompendo clarão
dum fogo que incendeia
explodindo o meu peito
de emoção...
Usofruo eu, das letras
do meu nome
que me faz viver
alíviada,
do momento que agora
me consome,
pela valsa poetica
a mim deixada...
E por cada momento
do viver
haverei de abrir
essa cortina,
buscando conivência
naturalmente,
por este prazer que
me alucina...

(Livinha, 28/setembro/2008)

Quimeras...


Ainda que não te veja
debaixo de minha janela,
ouço o som do violão
tocar serenata mais bela...
Abrindo as canaletas
das lembranças
quiçá um dia, foi quimera;
do abstrato prateada
à luz da lua,
se fez em tom,
a luz de vela...
Pois no concreto,
já era dia
e remota sensação
eu sentia
sonorizando àquelas
notas da canção,
que em mim,
você emitia...
Abstrato seria o seu
retorno
Concreto será a minha
partida, um dia...

(Livinha, 02/Outubro/2008)
<

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Leitura de si, no outro...


Pena que todos no mundo
não vêem a leitura da alma,
de vendas nos olhos,
perdendo a calma,
julgando ao outro,
sem dar-se conta
que está diante do espelho,
vendo a propria alma
que aponta
qual espiga de milho,
despenteada, escura...
Não se deixa perceber
que ao retirar os pentelhos,
os grãos dourados
se mostram
qual alma que se desnuda...

Perfeito!

(Livinha, 27/Setembro/2008)

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Preciso saber...


Que queres de mim ó silencio!
que nada me diz, nem me
oferta sequer uma pista,
na condição de aprendiz
que sou...
Se aprendiz, em que
grau estou?
Que queres que eu diga
se nada sei...
Preciso saber,
mas necessito que
retires o véu que encobre
minha memória,
para que eu chegue à gloria
livrando-me do tormento
que jáz no esquecimento...

(Livinha, 23/setembro/2008)