terça-feira, 30 de setembro de 2008

Viajando...


Não é preciso dinheiro
para transpor barreiras
do caminho,
nem superar as distâncias...
Não é preciso ter asas
para poder voar...
Basta usar a constância,
polindo o pensamento
e se deslocar...
E sendo assim dessa forma,
a gente pode enfeitar
a paisagem do percurso,
fazendo ela brilhar...
Sorrir, chorar, fazer florir
mas nunca jamais desistir
dos sonhos realizar...
Tudo isto é riqueza,
pois que no interior há beleza
na perfeição que se dar...
Então vamos?
Nós podemos Viajar!!

(Livinha,13/Setembro/2008)

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Bela Noite


Noite,
deita os teus cabelos negros,
chama as estrelas para brilhar
faça do arco da lua, adorno,
para o vento não te assanhar

Fizeste convite as corujas
para o céu sobrevoar
na guarda do teu silencio,
os grilos cantarolar...

Enquanto um rastro de prata
ilumina os namorados
fazendo testemunhar
romance de amor ao luar...




(Livinha27/Setembro/2008)

domingo, 28 de setembro de 2008

Fruto da perdição...


Lá vai ela, pobre menina
de cabelos sujos ao vento,
não conhece a alegria
só tristeza e sofrimento,

Sem endereço, sem nome
nem mesmo um pensamento
é andarilha das ruas
mata a fome do silencio

Não tem ponto de partida,
nem sabe de onde vem,
coitada entregue a sorte
e sorte, ela não tem

Quem sois menina, que fazes?
-não sou nada, nem ninguém
sou filha apenas do dia
e das noites frias tbém...

Sou uma semente gerada,
de máquina sem coração
dum produtor sem valia,
sou fruto da perdição...

Meu pai é a miséria,
minha mãe sobrevivência
Se fui filha do orgulho,
me apresento:
Sou Clemência!

(Livinha,27/setembro/2008)

sábado, 27 de setembro de 2008

Nos impulsos do Vento


Somos testado a todo tempo
como brinquedo do vento
que tenta nos balançar....
As vezes vem como brisa
somente acariciar,
noutras vezes um bafo sopro
pra o calor burilar...
Mas de quando ele cisma
pra pegar desprevenido,
sopra como tufão
nos deixando estarrecido...
A gente fica entregue,
e mesmo pra baixo segue,
que é pra não desanimar...
Na conta das experiências
então vamos reparando,
criando um campo de força,
seguindo, policiando
pra na próxima varredura
estarmos a postos lutando...
Pois que os problemas da vida,
são desafios da lida, pelos
plantios do ontem...
Aremos o terreno no hoje
sólido, aurido de amor,
para que se dê a colheita
num jardim cheio de flor!!

Fortaleça as vigas do seu
Lar, aurindo um templo
de Paz!

(Livinha,13/setembro/2008)

Angustia


Que passas coração descrente
nesse viver clemente
por razões do desamor?
Saia daí desse poço
que te burila desgosto,
dum passado que passou
Atine só para o hoje,
direcionado ao presente,
que o dia tão recente
com laços de fita embrulhou...
Abra, descubra as surpresas
observando as belezas
que agora já se mostrou,
pois que aí está a esperança
a te inspirar confiança,
do amanhã a transpor...

Confie!!!
(Livinha,21/Setembro/2008)

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Esperança...


Ah, essa tal Esperança
que se houve tanto falar
onde ela estará?
Bem sei, não custa acreditar
que ela existe,
está bem alí, acolá,
brincando de esconde-esconde
pra que todos a encontre...
Sabe aquela luz no fim do túnel
que a gente diz não notar?
Basta lembrar que o túnel
tem o comprimento da vida
cheinho de curvas, comprida
por isto, não dar pra enxergar...
Mas estar lá,
no fim da caminhada
e muitas serão as pegadas
para se alcançar...
Esperança, é um bichinho verde
que nos espera
e se a gente não for até ela,
ela nos alcança

Lembre-se:
"A Esperança, é a última
que morre"


(Livinha, 24/Setembro/2008)

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Rodopiando...


Deixa eu rodopiar
mesmo que seja sem sair do lugar...
Deixa eu girar
apreciando o espetáculo
em minha voltar a rodar...
Vejo o colorido a se misturar
mostrando linda aquarela,
espelhando em minha tela,
os meus desejos insanos,
bobos, bonitos ou freudianos,
mas que me permitem viver
sem me cansar....

Deixa se levar....

(Livinha 25/Setembro/2008)

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Um substantivo e um verbo...


Percebi que não tenho andado,
Tenho sido empurrada pelo tempo,
Esse tempo, senhor advogado
Das questões, embaladas pelo vento...

Tempo senhor substantivo,
Parceiro do verbo passar,
Que a mim vai conduzindo
Em derradeiro penar...

Dizem que tudo passa,
E que somente o tempo resolve,
Mas quem passa é a passarada,
essa dor, não se remove...

Não vivo mais de momentos
A solidão é anfitriã da casa
E dela estou a mercê
De um tempo que não passa...

Amargo tempo

(Livinha,24/Setembro/2008)

terça-feira, 23 de setembro de 2008

A Estreita Porta...


"há mais mistérios nesta vida
do que sonha a nossa vã filosofia..."
No entanto posso acrescer
que tudo é eterna magia
por detrás das cortinas
do universo
Por isto, a Deus eu peço:
que estando do outro lado um dia,
eu possa ainda compreender
que, quem passa pela estreita
porta,
faz rima com a escrita Divina,
do "Escrever certo por linhas
tortas"...


(Lívia, 23/Setembro/2008)

"Ser" e não "Ter"


Tá na hora de você
pensar em Ser e não em ter;
Ser o que você é
com o seu sorriso, sua alegria,
na busca intensa da Fé...
É o crer em si mesmo,
em seu potencial;
no gostar do seu sorriso,
ficando bem contigo,
sentindo-se legal..
É o antes de agradar o outro,
agradar a si primeiro,
na sua saude e beleza,
naquilo que Deus te deu
Seja feliz, bem com a vida,
se fazendo reconhecida...
Pelos tesouros que tem,
porque aparencia externa
não pertence a ninguém...
Isto é um círculo vicioso,
dum momento prazeiroso,
feito de pura ilusão...
Assimile a realidade
e veja a contradição,
sociedade, instrumento
de pensamentos mundanos,
rotulados de insanos,
perdidos e sem razão...
Por isto ame a vida,
a si mesmo em toda
a sua manifestação...

Satisfação...

(Livinha, 22/Setembro/2008)

domingo, 21 de setembro de 2008

Um mimo do meu Pai...


À ALMA POÉTICA DE LIVINHA

Livinha, li os seus versos.
Metrificados não são.
Mas são poesias reais
nos falando ao coração !

Apenas no português
algumas falhas achei;
no sentimendo, porém,
muito valor encontrei !

Continue, Filha querida,
a versejar com Amor:
O verso adorna o poeta
de muita Luz e Valor !

Mas fuja do verso triste
que à dor o poeta conduz . . .
Busque na inspiração na Fé,
versejando com Jesus !

seu modesto Papai.
(Inaldo,01/Agosto/2008)

Compreendendo...


Privo-me de fazer indagações,
mas ao menos tento compreender,
que nesta vida, nada é por um acaso,
dos encontros na jornada se fazer...

Sei apenas que se faz a diferença,
quando abraçamos o amor humano,
pois que em cada coração habita um lema,
de alegria, de certezas ou desenganos...

E quando prisma a conexão positiva,
de afinidade e paz que sonoriza,
abraçamos o ser que em nós tropeça,
receptivos a amizade que se eterniza...


(Livinha,21/Setembro/2008)

sábado, 20 de setembro de 2008

O Acaso existe?


Que folha é essa que chega
Será obra do acaso?
Mas se ele não existe,
Por que deixou este rastro?

Que fazes neste silencio
Assim só e abandonada
Foi o acaso que te trouxe
meio a minha caminhada?

Quem é ele, sinistro acaso?
Me diga onde ele está!
Ninguém o conhece, nem eu
Como posso acreditar?

O que tentas me dizer
se tua voz não escuto?
Abstrato é tua cautela
Concreto, teu jeito mudo...

Não tente me enganar,
tenho minha definição,
se tua existência provar
finalizo essa questão!

(Livinha,20/setembro/2008)

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Vício...


O vício é força de hábito
bem dizer, ossos do ofício
quem nele adentra, naufraga
em profundo precipício...

Exerce imenso poder
sobre a quem nele se atreve,
mostrando-se bem atrativo
para quem dele se serve...

Faz dos fracos, grande presa
sem que eles possam notar,
engana e enfeitiça a tristeza,
pra falsa alegria desfrutar...

Promete liberdade em fuga
dados momentos de confusão,
e o dependente vai se afundando
num fundo poço de escravidão...

O infeliz, então nem percebe
que a propria vida condenou,
na escolha do caminho errado,
a morte enfim se entregou

Vício, seja ele qual for
não se permita escravizar,
persista, livre-se dele
ou viva a se lamentar...

(Livinha,18/setembro/2008)

Ah, essa tal felicidade


Essa tal felicidade
desse mundo na verdade,
não existe não;
ela é bonita e faceira,
fustigante e traiçoeira,
no palco das ilusões

Não mora do lado de lá
mas sim do lado de cá,
no interior da emoção...

É sentimento infinito
dum mundo, bem mais bonito
que temos por conquistar...

Satisfação...
(Livinha,19/setembro/2008)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Idosos, Eternos bens...


Quão belos e formosos
estes rostos,
feito de traços marcantes
que fulgura no semblante
a vida que não morreu...
Nestas linhas tão precisas
cheias de sabedoria,
dum tempo que se viveu...
Quão doce e meigo
este rosto
riqueza de amor e bondade
que a lida assim modelou...
Traz no peito a verdade,
gerada de força e coragem,
de luta, e dificuldades
superados com louvor...
Ah, o que diz este rosto,
com traços marcados de pranto
e de dor?
São histórias guarnecidas,
de tristezas, nada esquecidas
num marco de frustração...
Onde o silêncio somente fala
nos olhos da emoção,
retratando a saudade
dum tempo, de contemplação...

Idosos não são peças
de museu. Cuide deles!

(Livinha, 17/setembro/2008)

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Discernimento...


No percurso de minha estrada
há sempre onde parar
no serviço que me aguarda
uns floridos, outros a reparar...

Onde percebo flores
existe paz, amor e doação
recanto suave, colorido
é vida em contemplação

Noutros vejo folhas mortas
raiva, vingança e rancor,
realezas em desvarios
gerando tristeza e dor

Procuro discernimento e força
sabendo no bem trabalhar,
felicitando as pairagens da Fé,
benevolente para perdoar...

Por fim, peço ao Pai que me oriente
esclarecendo a caminhada,
pra que eu ore e persevere
por toda a minha jornada...

(Livinha, 16/setembro/2008)

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Momentos...


Muitos dos meus sorrisos,
foram momentos vividos
de alegria e sabor...
Muitas lágrimas roladas,
me foram balsamizadas
diante de minha dor
Cada alegria foi festejo
cada choro aprendizado...
Sou grata a Deus por isto
por tudo balanceado...
Se me fiz submisso
diante de alguma razão
foi porque a humildade
se instalou em meu coração...

(Livinha, 15/Setembro/2008)

domingo, 14 de setembro de 2008

Nós! Aquario & Escorpião...


Era eu Vida
Era ele razão,
Ele de Aquário
Eu de Escorpião...
Composto da água e do ar
Misto de acelerada, ebulição
Era ele de Aquário,
eu de Escorpião...
Nunca vazio, cheio, transparente,
e eu mergulhada na umidade,
dessas águas reluzentes,
ligando a intensidade
ao meu sensor ardente...
Completamente envolvidos
por homogeneos sentido,
ao toque da harpa em sensação...
e por todos os mergulhos
dedilhados em meu vibro,
a vida em duplo sentido
explodia com a razão
Ele de Aquario
e Eu, de Escorpião...

(Livinha, 14/setembro/2008)

sábado, 13 de setembro de 2008

Time to say goodbye


Adeus, já não quero mais chorar
vivendo apenas das lembranças,
do que restou
O sonho acabou,
o que passou, passou
e você foi embora,
Sinto que está na hora
de também partir...
saindo um pouco de ti
reconstruir a minha história...

(Livinha,13/Setembro/2008)

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Viva o 100!!


100 poemas.
não quer dizer que estou 100,
mas com poemas de 100.
É o que representa meu blogger
pra quem entendimento não tem.
Exemplificando melhor,
vejam só, o que me aconteceu:
Adentrei nas páginas de minh'alma,
e tal espanto se deu
ao ver a contagem de escritas,
que vi em minha lida,
o numero noventa e nove.
Meu coração se comoveu
no brilho dos olhos meus...
Por 100 vezes eu sorrir,
por 100 vezes eu chorei
em cada momento esse
eu mesma me aliviei...
N'algumas menos sem vezes,
eu sei que extrapolei
em meus instantes de angustia,
que nem mesmo conta me dei...
Foram 100 vezes de reparo,
medicando a sofreguidão,
em cada lenimento tragado,
massagiei meu coração...
100 vezes suspiros externados,
100 vezes discernimento buscado,
100 conquistas alcançadas
nos 100 traçados bloggado...
Por isto hoje estou feliz,
com sorriso aberto em Flor,
pelo dom presenteado...
Não digo apenas sem 100 vezes,
mas 100 vezes 100 mil vezes:
Obrigado Senhor!!

(Livinha,11/Setembro/2008)

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Devagar e sempre...


Hei, Psiu
Que pressa é essa?
não corra, vá devagar,
se colocando antes a pensar
no que pode ser feito...
Se desejas fazer direito,
capriche, faça com jeito
pra melhor se realizar...
Não se atropele
pegue bem leve,
com carinho e equilíbrio
trabalhas com a mente sã
nos desafios do amanhã...



(Livinha, 10/Setembro/2008)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Mais perto de Deus


Aqui, somente Deus me alcança
onde sei que bem mais alto
posso alcançar a esperança...
Depois, meio as travessuras,
revejo a infancia, me sinto criança
e fujo das amarguras,
querendo somente brincar...

(Livinha, 07/Setembro/2008)

sábado, 6 de setembro de 2008

Família...


Família é bem precioso
que o Pai a nós concebeu
é aliança ligando vidas
que a outras vidas se deu

Desponta de nossas origens
no limiar de uma nova era
gerada por afinidades
na união que se intera...

É um prato recheado
de sentimento e alegria,
é conivência de partilha,
é vibração de harmonia...

É o todo que faz único
é único que faz o todo
é o mundo em parceria
habitando o nosso globo

Família é acolhimento,
vivenciando igualdade,
é calor e proteção,
presença e felicidade...

Família é bençãos!

(Livinha,05/Setembro/2008)

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Feliz Aniversário Filhota


Janine,

Parabéns linda menina,
doce sorriso que encanta,
o brilho dos olhos meus
Assim tão bela e faceira,
orgulho por ser filha minha
e dou graças a Deus...

Te vejo como as estrelas
que reluz o alto astral
pela essência da vida
que te faz especial...

Dentro de ti tem segredos
abençoados por Deus
segredos que o tempo abrirá
perante os sonhos teus...

Mistura de sonho e vida
carregas a tua missão
nas virtudes de tua lida,
tens o poder na oração

Deus abençoe teu percurso
na Paz e Fé que te conduz
dando por fim o concurso
sob a guarda de Jesus...


(Livinha,02/Setembro/2008)

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Sim ou Não?


O "Não" é limite imposto,
não nasce dentro da gente,
chega como serpente
para nos amendrontar...
É veneno perigoso,
jogado da boca do outro
que por medo e covardia,
não sabe lutar...
Gosto do "sim",
ele me fortalece,
impulsiona, enriquece,
pra novos riscos enfrentar....
Se errar, não tem problema,
novo acerto tentarei...
O erro é meu professor
que tenta me aperfeiçoar
ao contrário do Sr. "não",
brochante como ele só,
um eterno perdedor;
que se enrosca em cada nó.
Senta-se e não se levanta
filho da inutilidade,
que pensa em desistir,
ignora o persistir,
e morre antes mesmo de cair

Coragem Sim!


Medo Não!


(livinha,31/Agosto/08)