sábado, 31 de maio de 2008

Confie!


Quantas vezes vc já não esteve
ao lado de alguém depressivo
e no seu jeito meigo de ser,
acalentou, no momento preciso?

E sabe por que?
porque você é capaz
tem no seu coração o amor
nos gestos, palavras tais

Você é um ser humano
ora puro, ora teimoso
as vezes, difícil, incrédulo
mas sabe ser carinhoso

Levante a cabeça, prossiga
acreditando sempre vencer
diante de tuas dores,
lutando pra se reerguer

Agradeça a Deus o que tens
pelo trabalho, saúde, alguém
pela vida que te sorrir e abraça
pelo teto, pelo alimento tbém

Os fardos te são pesados?
nada que não podes levar
Deus não põe em ombros leves
tais fardos a nos castigar

Alimente a esperança
antes de cada alvorecer,
após tempestade, bonança
novo dia a florescer...

Te seja os dias de Paz
de festa, beleza e luz
Te seja a vida florida
sob as bençãos de Jesus.

(Lívinha,31/Maio/2008)

Espírito Amor


Quando o espirito amor
se instala dentro da gente
é possivel amar indiferentemente
de cor, raça, credo e religião

Quando decidirmos estar aberto
é possível receber um irmão,
sem dar credito aos obstáculos
porque isto é determinação

Quando decidirmos ter humildade
é possível ver a todos com igualdade
não achando que somos mais
nem tão pouco de menos
mas gesticulando aceno

Quando decidirmos socorrer
não devemos medir esforços
deixando tudo acontecer,
atraindo pra nós o remorso

Quando decidirmos fazer caridade
viremos às costa para o egoísmo
para que seja possível dividir
desenvolvendo altruísmo...

Enfim,
quando decidirmos ser disponíveis
viveremos num mundo mais bonito
de risos, Fé, esperança e cor
e seguiremos para um infinito de amor

(Livinha,29/Maio/2008)

quarta-feira, 28 de maio de 2008

Invólucro Carnal


Deus nos promove estágios
de um tempo aqui na terra
para o cumprir da missão,
vida que nunca se encerra...

Cada passagem, uma história
um lívro a ser lançado
no discorrer da ventura
tudo será registrado...

Em cada vida uterina
já se desenvolve o prefácio
pois é editora da vida
toda mãe, em seu climácio

E tudo vai transcorrendo,
cada fase, novo título
de beleza e desventura
divididos por capítulos...

Façamos por onde crescer
seguindo estrada reta
fazendo reforma íntima
levando vida correta

No final de cada história
chegando leve, tranquilo
haveremos de acordar
de um aparente cochilo

Aqui apenas deixamos
o invólucro carnal,
levando saudade e lembrança
pro mundo espiritual...

(Livinha,28/Maio/2008)

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Adeus ou à Deus


O que será o adeus?
Palavra que se defini
Como um até nunca mais?
E eu aqui intrigada
na emenda apregoada
de um artigo com um
substantivo tão lindo...
formando palavra
triste, assim concluindo...
É como o mês de Agosto,
que ao contrário de desgosto,
é temperado “à gosto” os
dias a mim satisfazer...
Defino então que Adeus
Não é uma tristeza no peito,
rasgada lamentação
mas uma entrega “à Deus”
do momento emoção
quando a Fé em hora aflita
nos encoraja a desdita

(Livinha,25/maio/2008)

domingo, 25 de maio de 2008

Degraus


Em cada degrau um desafio
na busca do desconhecido
saindo a procura do novo
do meu eu adormecido...

Subindo e descobrindo
o que está do lado de lá
vencendo meus medos,
explorar e encontrar

Nem mesmo o sei o que procuro
na aventura do meu caminhar
sei que de frente a cada degrau
existe um muro a saltar...

Por que não, eu reverter,
a questão que me burila
mostrando que sou capaz
segura e não por tequila

Percebo que lá em cima
no topo deste degrau
alcanço a liberdade em vôo
neste espaço sideral...

Creio que lá no alto
está minha definição
pois cada degrau que subo
sinto o gosto da razão...

(Livinha,23/maio/2008)

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Destruição


Eis que o futuro caminha
pra nossa indignação,
na grandeza, o atropelo
tecnologia em ação...

É tanta transformação
em vista do crescimento
que o homem vai encostando
na preguiça, no lamento

da simplesmente carroça
trazida pelo burrico
chegaram as quatro rodas
e à vida com mais riscos

morrendo a natureza
para o existir do concreto
por todo desmatamento,
poluição em céu aberto

e veio a televisão
com ela, surgindo males
separando das famílias
interação em seus lares

Agora o telefone
saindo com a gente tbém
é vuco-vuco e corre-corre,
somente estress que se tem

Agora olhemos pra cima,
imagine o nosso espaço
na loucura desse chão,
asas rasgando o céu
tumultuada amplidão

E todos entregues a sorte
lutando por sobreviver
na dita poluição,
que nos faz envelhecer...
A natureza, debilitando
e à vida, a perecer...


(Livinha,22/Maio/2008)

domingo, 18 de maio de 2008

Saudade....



Ah, esse seu silencio
nesta saudade
que invade meu coração...
mas é nossa realidade
não há como fugir dela não.
Foram tantos planos
meio a união de nossos corpos,
que até nossas dentaduras
prometemos guardar no mesmo copo
mas como planejar
se isto nem era real?
Real eram nossos sentimentos
que lá do céu, no firmamento
marcamos por aqui, nos encontrar...
E a gente se fez único
no súbito de nosso olhar
e somente as estrelas, o luar
por nós se fez testemunhar...
Sentimos anjos nos aplaudirem
do encontro, vidas desencadear
na unificação que fizemos
as três sementes brotar...
Somamos cinco, no laço familiar
e mesmo nos sendo efêmero,
sua estadia entre nós,
tornamos-nos um todo singular.
Um dia, creio não demorar,
estaremos juntos novamente
pra matar esta saudade
que tanto maltrata a gente
Enquanto isto vou levando
de aparente renúncia,
do faz de conta fingido
que tudo está muito bem,
enquanto aguardo a hora
da minha esperada passagem,
pra ir embora também.
E no rosto de cada semente
que de nosso amor brotou
vejo os seus singelos traços
que sua genética deixou...
Saudade.....


(Livinha,18/Maio/2008)

sábado, 17 de maio de 2008

Fim de tarde


Fim de tarde...
ora do sol se deitar
levando com ele segredos
do dia complementar

Da hora que se levanta
da ao tempo seu encanto
colorindo a natureza
desde a cidade ao campo

Os pássaros acordam em festa
em cântico melodioso
em cada silvo uma nota
espetáculo fabuloso...

E vamos se espreguiçando
na hora de levantar
satisfeito ou lamentando
novo dia a encarar

Dum viver que se rotina
de choro, em causas dor
de risos, de alegria
e até o mesmo desamor

E o dia testemunhado
pelo sol que nos banhou
termina levando saudade
mas a esperança, deixou....

(Livinha,16/Maio/2008)

Melindre


Ah, se hoje me fosse possível
eu voltaria....
para um passado, lindooo
onde eu somente sorria
e qdo chorava era por
melindre
porque somente queria
àquela boneca da vitrine...
Doce infancia....

(Livinha,01/maio/2008)

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Lei de Atração


Olá como vai você?
Passando para prosear,
falar das afinidades
das buscas em teu limiar

Estou sempre em tua volta
aguardando o momento
nas fraquezas que te mostras
contidas em teus pensamentos

Percebo a fragilidade,
te observando tormento
na raiva, ira e maldade
facilitas o meu intento

Sorrio me fortalecendo
desse momento atrativo
e fácil te influencio
no instante apreensivo

Permita me apresentar
sou a lei de atração
e se te interessa saber
o meu nome, é Tentação

Livinha,15/Maio/2008

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Causa e Efeito


Tudo que bate volta
favorecendo retorno
é como bola que quica
traçando belo contorno

Na lei de causa e efeito,
todo o bem a destinar,
levado amor ao próximo
o bem pra você voltará...

É como fazer a colheita
do plantio efetuado
ervas daninhas ou flor?
é teu arado deixado....

Que tenhas feliz jornada
Em tua missão à cumprir
tua vida iluminada
num glorioso porvir....


Livinha,14/maio/2008

domingo, 11 de maio de 2008

Vida


Vida


Oi, me chamo vida
É, estou aqui, dentro de você.
Alegria senti, qdo me chamaram,
você e Papai a se envolver...

Eu vibrei tão contente
que não pensei duas vezes
daquele instante envolvente
por aqui ficar,mais alguns meses

Eu precisava nascer
meio a tudo que eu queria
e tinha que ser de você
vir ao mundo com alegria...

Foi intenso, maravilhoso,
aqueles meses assim;
sentindo teu euforismo
pensando somente em mim

Azul ou cor de rosas?
era tua indagação
eu, feliz bem acolhido,
sentindo a tua emoção

E pra tua decisão
exame você quis fazer
e eu,pra surpreender
escondi meu parecer...

Não importava a cor,
queria saber de você,
pois somente o seu amor
bastou pra mim receber


Hoje,aqui a ofertar
nesse dia de louvor
teu nome, ó mãe querida
é bálsamo feito de amor.
Agradecendo-te a vida
qual me foi um estrelário
por todo carinho doado
do íntimo, em teu santuário

(Livinha,11/Maio/2008)

quinta-feira, 8 de maio de 2008

Tempo





As vezes eu me pergunto
qual é o tempo do tempo?
e o tempo, nem sequer me responde
pelo tempo que ele não tem....
Então me sinto confusa
por não saber o tempo
que o tempo tem,
e o tempo me sopra penumbra
desse tempo que não vem
Que tempo? quem poderia?
se o tempo, voa assim?
um tempo que não vejo
e nada deixa pra mim...
Marco tempo então
para o tempo...
Ele me diz não ter tempo
porque o tempo, lhe rouba
o tempo que nunca tem
e que se o tempo não vem pra ele
nunca virá pra ninguém...

(Livinha)

domingo, 4 de maio de 2008

Quem sou?


Sou Pássaro
riscando o céu a voar
saindo de mim,
no espaço à planar

Sou abelha
pousando em flor
sugo-lhe o néctar
adoçando vou...

Sou a cigarra que canta
em primavera de cor
quando o sol se levanta

Sou claridade da Lua
que ilumina os caminhos
daqueles que vagam nas ruas

Sou a coruja na noite
que do silencio se emanta
faz-se bela como estrelas
na realeza que encanta...

E sou alegria
nessa hora em vigor
mas noutro dia eu morro
me faço tristeza e dor

Acordo, sou tartaruga
vagarosa, sem coragem
manifestando tristeza
escondendo minha imagem

Como urso, sou um pêso
mal consigo levantar
me sinto sem serventia
e me coloco a hibernar

Sou chuva forte que cai
no semblante descontente
no íntimo um temporal
instável e deprimente...

Saudade de um tempo feliz
que olho de minha janela
do passado só cicatriz
nada resta, nem quimera.

Onde está minha Estrela Guia
que meu Bom Deus ofertou?
Você partiu, nem disse adeus
e a minha estrela Levou...

(Livinha,04/maio/2008)

sexta-feira, 2 de maio de 2008

Vazio


Nesse tempo variável, inconstante
Assim me vejo, sem ensejos,
em pensamentos conflitantes.
Nem mesmo sei de meus desejos...
São tantos e ao mesmo tempo poucos
Lúcidos e loucos
São meus feitos entre gritos roucos
Onde o vazio se mostra
qual silêncio em minha volta
a procura do que se perdeu....
Kd eu?

(Livinha,02/Maio/2008)
Chove lá fora....

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Relembrando....



Doce infância,
quando ainda criança tudo me sorria
desde a mais singela formiga
ao canto da cotovia...
A inocência exalava o aroma de flor...
tudo me era tão bonito
que de lá, do infinito
Deus me mostrava o amor
chorava e cantava
sorria e embirrava
mas era pureza,
era alegria...
Não sabia o que era raiva
não sabia o que era o medo
porque tudo era brinquedo
diante de meus folguedos...
De nada eu sabia e
tudo era folia em meu viver
e qdo sentia sono
no colo de mãe, me embalava
e ela cantava, com vóz sonorizada
a me acariciar...
Eu, fechava meus olhos manso e manso
sentindo doce balanço
pronta pra adormecer...
Ela me protegia e eu me sentindo segura
fortalecendo o meu viver...
Hoje me sinto carente Mãe precisando de você....
Saudades....

Esquina



Em cada esquina me vejo
Perdida, meio esquecida
de um ponto a outro me sigo
em buscas dos meus sentidos

São como momentos vividos
Talvez, mal acabado
Por ter sido interrompido
Em meu trajeto, roubado

Em cada parada me vem
Reticências, indagações
o que eu posso fazer
com minhas suposições....

São duvidas, incertezas
Vontade do sim e do não
E nesses altos e baixos
Entro em contradição

E tento deixar pra lá
o medo me faz vencida
do que pode estar acolá
no fim, daquela avenida

Livinha,01/Maio/2008